domingo, julho 30, 2006

Rosa Choc



Na edição n.º 200 (Julho) da Revista de Vinhos (RV), surge-nos um comparativo de rosés. Também a edição n.º 3 (Julho) da Blue Wine (BW) tinha uma prova semelhante. Sucede que, apesar de alguns vinhos serem os mesmos em ambas as provas, o consenso entre as duas revistas voltou a não existir. Por mim, óptimo – é destas divergências que os enófilos estão à espera. É que, perante a discórdia, resta beber para tirar as dúvidas!
Ora, eu já tinha tido a oportunidade de provar uma parte dos vinhos seleccionados por ambas as revistas, e deixem-me dizer-vos a que conclusão cheguei: a melhor pontuação da RV foi para vinhos que, entre outras características, demostravam algum açúcar residual; ao invés, já para a BW os melhores vinhos foram os mais refrescantes.
A minha selecção é, obviamente, de âmbito pessoal, mas, à posteriori, não consigo deixar de notar que é mais próxima da selecção da BW, ou seja, por outras palavras, mais próxima dos rosés feitos no Douro. Aqui fica:
  • Portal (R) 2005: Muito equilibrado e sedutor. Um rosé para várias ocasiões. Bom – (15)
  • Vale da Raposa (R) 2005: Feito de touriga nacional, e não resulta de sangria. O mais complexo do grupo. Suficiente + (14)
  • Quinta da Alorna (R) 2005: Está bem feito, todo do tipo "certinho". Suficiente (13)
  • Lugar de Arei (R) 2005: Falta-lhe garra, mas tem elegência. Bom final de boca. Suficiente (12,5)
  • Monte da Peceguina (R) 2005: Cor escura. Excesso de açúcar, groselha autêntica. Suficiente (12)

6 comentários:

Copo de 3 disse...

Eu sinceramente acho que a Blue Wine é uma revista muito Douro... será impressão não sei mas penso que o vinho do Douro sai sempre melhor... será por ser sediada no Porto ?

Se eu tivesse uma Yellowine sediada em Vila Viçosa e desse uma má nota a um vinho do Douro devia ser bonito as reacções mas assim ninguém diz nada.

Das duas provas realizadas sou mais RV, gosto pessoal talvez, mas que se fique sabendo que a minha escolha quanto a rosé não foi provado nem num lado nem no outro pois não foi enviada amostra e é para mim o melhor de todos... preço 3,50€

Copo de 3 disse...

O vinho é resultante de um lote de Touriga Nacional com Syrah, alia uma boa acidez com fruta e um leve açucar residual, acima de tudo é um vinho fresco com elegancia patente no seu estilo.

Nuno de Oliveira Garcia disse...

João,percebo o que queres dizer. Talvez a BW seja uma revista muito Douro... Mas esse não é o meu caso!
Sucede, que acho que, em geral, os rosés alentejanos - apesar de mais baratos e de cor mais bonita - são tendencialmente mais doces (as temperaturas da tua terra não ajudam!).
O facto de serem mais doces não é, por si, um mau sinal. Serão, por exemplo, certamente mais aptos para aperitivos.
Porém, quanto a mim, prefiro os outros (mas não necessariamente os do Douro).
Um bom exemplo do que escrevo é o caso da H. da Malhadinha Nova: eu gosto bastante da maior parte dos vinhos deles (Malhadinha 2003/2004, Pequeno João, Aragonês, e até o branco)e já escrevi bem sobre eles, mas o rosé decepcionou-me muito.

Um abraço forte, e boas férias,

NOG

Simon Moutinho disse...

Caro amigo Nuno O. Garcia.

Prove o Quinta da Sequeira Rosé 2005.

Abraço do Brasil.

www.quintadasequeira.com

Norberto Simon Moutinho

Nuno de Oliveira Garcia disse...

Caro Simon,

Obrigado pela sugestão. Vou provar.

Abraço,

NOG

Anónimo disse...

best regards, nice info »