sexta-feira, outubro 13, 2006

Quinta do Mouro (T) 2001


Um regresso de um amigo, de um amigo que vive no outro lado do Mundo, deve ser saudado. Com um Quinta do Mouro de preferência. O que se bebeu foi de 2001, colheita que no Alentejo (e não só) proporcionou vinhos muito equilibrados.
O que se provou está em pleno! Na cor não demostra evolução, apenas um tom cereja muito escuro, opaco se enchermos meio copo. No nariz mostra-se camuflado: primeiro não entoa um gesto, depois revela um pouco a sua garra com notas frescas vegetais. É um vinho com personalidade que se explora devagar. As palavras que se seguem são do Rui Falcão (sobre o Quinta do Mouro 2003) e encaixam com perfeição no que senti faz já duas noites: “austero, denso e cheio, mostra logo ser um vinho muito sério, resoluto, sem pressas, um vinho que impressiona pela sobriedade e peso” - cit. Blue Wine n.º 2, p. 69.
É, agora continuo eu, um néctar que se distrai no copo, que não quer o ser o centro das atenções – todos os vinhos deviam ter esta característica! – mas não se esquece (não se consegue esquecer...). Quando o copo segue, por uma vez mais, à boca deitámos os dois um sorriso ténue e continuamos a falar; tínhamos muito que falar. As notas a azeitona são constantes, é grande a influência mineral, tudo muito carregado e polido. Também o final é longo sem ser impositivo - como eu e o Gonçalo que teimamos em não nos aborrecer. É grande a discrição do vinho com as notas herbáceas não agrestes, e o aroma não excessivamente perfumado.
Um grande vinho numa noite a recordar e na qual tudo correu bem, também graças ao António Simões que, além dos dotes culinários, abdicou da margem de lucro sob o preço da garrafa. Com vinhos destes o Alentejo tem motivos para orgulho!
Bom ++ (18). Entre € 35 - € 40 (recomendável).

3 comentários:

Nuno de Oliveira Garcia disse...

Nos "5 às 8" temos prova em: http://www.os5as8.com/provados/qtamouro01.htm.

Faby disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
eduardo lima disse...

Caro Nuno,

Um dia ainda farei um dicionário de vinhos. Para o termo enófilo darei o significado: "aquele que nasce no Alentejo." O que seria um erro visto que, alentejano de verdade, não nasce, estréia.