quarta-feira, dezembro 17, 2008


A NÃO ESQUECER...


Aalto PS (T) 2005

Tanto tempo sem escrever sobre vinhos "além-Pátria" e, logo agora referimo-nos a dois quase numa assentada. Primeiro foi o super syrah australiano do texto abaixo, agora o também soberbo espanhol Aalto PS (T) 2005. E, ao contrário do que tanto pregamos a favor de tintos de lote, temos aqui outro monocasta, desta feita de excelentes clones de tempranillo, ou melhor "tinto fino", como preferem as gentes da região.

Produzido só em anos excepcionais, este Aalto PS é o topo de gama da marca Aalto com vinhedos na Ribera del Duero (PS significa "pagos seleccionados"). Naturalmente, é um vinho ainda muito jovem (em comparação com o Amon-Ra, o australiano parece estar mais pronto a beber) que terá de esperar tempo em garrafa. Completamente negro no copo, começa por revelar-se tímido no nariz. Está muito sério, como convém num tinto deste tipo, todo ele potente e intenso. Ainda no nariz, o carvalho pouco se sente apesar dos mais de 15 meses em barricas novas, sendo ao invés marcado por fruta preta, ligeiramente confitada, cacau e uma nota balsâmica agradável e fresca (um after-eight que não se sente em anteriores edições do vinho). Na boca apresenta-se com um estilo moderno, muito concentrado, e portanto longe do estilo clássico que marcou os vinhos espanhóis nas décadas passadas. Durante toda a prova mostra-se amplo e com taninos que secam a boca mas não agridem, acidez domada (mas ela existe), enfim tudo a garantir longevidade. Final de boca longo, mas a este respeito acreditamos que vai crescer.

Com um preço superior a € 75, é uma prova inequívoca como taninos e acidez não significam um vinho menos atraente. Este Aalto PS (T) 2005 conjuga num só, atracção, potência e intensidade, de uma forma como poucos outros vinhos provados este ano o fizeram. Muito bom mesmo. Não vamos esquecer!

18

6 comentários:

Miguel disse...

Nuno,

Estás em grande.
Outro que gostava de provar.

Abraço

Anónimo disse...

e o mais pobrezinho o AALto 2005, já provou?
C
JFreitas

Nuno de Oliveira Garcia disse...

Caro J. Freitas,

Obrigado pelo seu comentário.

Já provei sim e recomendo muito. Aliás, tendo em consideração a diferença de preço entre os dois Aalto, o PS parece-me demasiado caro.

Mas o estilo de ambos difere: O PS é mais sofisticado, potente porém polido. Já o Aalto normal tem fruta mais directa, madeira mais evidente, e um perfil ligeiramente rústico.

Dois belos tintos!

NOG

Pedro disse...

Tenho cá uma da versão de 2001 a aguardar oportunidade

Nuno de Oliveira Garcia disse...

Caro Pedro,

Esse 2001 deve estar em óptimo ponto de consumo.

Força!

NOG

Pedro disse...

Nuno,

Tudo indica que o 2001 vai ser aberto num futuro próximo. Felizmente ainda consegui arranjar uma ou duas do 2005.