terça-feira, abril 10, 2007

Vinhos da Tavadouro


Frey (B) 2005
Chega-nos da denominação "Távora-Varosa" este branco de cor amarela muito clarinha. Produzido a partir de gouveio real, malvasia fina e cerceal, uvas todas colhidas na Quinta de Rõssas, mais um Douro claro está. Nariz reduzido com notas soltas a maçã e relva molhada, mas tudo subtil pouco perceptivo. Na boca volta a mostrar-se pouco expressivo, não se impõe no palato e é daqueles brancos que qualquer apreciador dirá "bebe-se muito bem". Com um final curto, foi uma boa companhia como aperitivo e ajudou à degustação de uns acepipes.
Não enjoa nem destoa. Preço abaixo dos 8€. 14,5

Setembro (T) 2004
Provado duas vezes, com dois meses de intervalo. Em ambas as ocasiões encontrámos um tinto muito escuro, perto do breu total. Nariz jovem, de intensidade alta, com imensa fruta madura. Aponta para um estilo próximo da sobrematuração, mas mostra-se interessante, guloso sem cair no estilo pesadão. Na boca, o fruto é quase doce, o chocolate impõe-se e surgem sabores quentes (fruto negro, LBV, "moka"). Madeira evidente mas bem doseada e um final médio/médio+ a revelar bom trabalho por parte do enólogo. No todo: um tinto num estado de maturação ainda não perfeito, guloso e, no geral, bem feito num estilo moderno e sedutor. Um Douro diferente em estreia. Eu gostei. Preço abaixo dos 14€ (brevemente em distribuição em Lisboa).
16

8 comentários:

Chapim disse...

Mais duas belas sugestões que me deixam com curiosidade de provar!

Nuno de Oliveira Garcia disse...

Amigo Chapim,

São duas boas estreias deste novo produtor. O branco é elegante sem ser "vistoso" e um tinto é "boa pinga".

Abraços,

N.

PS. - Temos que esperar para ver o que acontece com a distribuição... onde tantos vinhos ficam esquecidos.

João Quintela disse...

Tive a oportunidade de provar estes dois vinhos recentemente num ambiente bastante informal.
Em relação ao branco até o achei mais de boca que de nariz...Gostei mais.
O tinto precisa de tempo a ver se passa esta tendencia supermadurona e supermadeirado...

Nuno de Oliveira Garcia disse...

Caro João,

Andei por fora do país e por isso não respondo antes.

Fico muito contente de o ver por este blog.

E fico ainda mais contente por ver que provámos os mesmos vinhos concordámos na apreciação.

Um forte abraço e bj para a Paula,

Nuno

João Quintela disse...

Nuno,

lamento mas não sou "esse" João Quintela....

Cumprimentos

Nuno de Oliveira Garcia disse...

Caro João Quintela,

Já me tinha apercebido do meu equívoco, pelo qual peço desculpa.

Em qualquer caso, mantenho tudo o que escrevi no comentário anterior, à excepção do "bj para a Paula".

Nuno

Juan Ramón disse...

He probado recientemente los vinos de su "quinta" en la ciudad de Granada a través de un "representante" familiar. El vino tinto Vineu es particularmente el que más me gusta, los vinos no demasiado maduros son de un paladar más apropiado a mi gusto y el de Tavadouro lo es: joven, fresco, con una entrada en la boca placentera, atraviesa la garganta llenándola de gusto. Los restaurantes españoles deberían disponer de estos vinos del Alto-Douro, acompañan ocasiones informales perfectamente. Enhorabuena
JUANRA

Nuno de Oliveira Garcia disse...

Caro Juan Ra,

Muchas gracias por tu comentario. Para conocer mais sobre los vinhos de Tavadouro (lo "Vineu" en particular) puedes mirar aqui: http://saca-a-rolha.blogspot.com/2007/05/vinhos-de-diogo-frey-ramos.html.

Cordial saludo,

Nuno Oliveira Garcia