segunda-feira, janeiro 22, 2007

Quinta do Além Tanha (T) 2001

É caso para dizer: a importância do estágio em garrafa!
É assente que o estágio em garrafa assume, à semelhança do estágio em barrica, uma importância fulcral no resultado final de um vinho. A tendência recente de colocação dos vinhos no mercado após um ano (nos brancos) ou dois (nos tintos) da colheita faz com que alguns néctares sejam consumidos demasiado novos. Pode dizer-se: "compra novo e bebe passados uns anos". Mas, como bem sabemos, isso não é fácil: se um vinho sai para o mercado em 2006 é muito provável que o enófilo curioso já o tenha provado antes de 2007. E nem toda a gente pode ter o luxo de comprar caixas de vinhos para observar a sua evolução.
Mas como dizia, já lá vão 5 anos desde a colheita de 2001. Elaborado pela "Quinta dos Avidagos" a partir de vinhas velhas (indicação que passa a constar do rótulo a partir da colheita de 2003), provámos pela primeira vez este Quinta do Além Tanha (T) 2001 em Novembro de 2005, faz já quase 15 meses (ver aqui). Então, pareceu-nos já guloso, mas um pouco duro com algumas notas verdes e minerais não totalmente enquadradas no perfil do vinho. É verdade que tinha tudo para ser um vinho deveras aprazível - foi sempre uma recomendação nossa - mas faltava-lhe algo... o "bouquet" parecia reduzido, e os frutos negros que surgiam na boca tapavam demasiado a madeira.
Sucede que, passados os tais 15 meses no silêncio da cave, muito mudou! O vinho mantém-se jovem na cor num bonito tom vermelho escuro, e jovem continua também o nariz. Mas agora está absolutamente perfumado com compota doce de amora e um final especiado que lhe atribui um toque exótico e oriental. Na boca está ainda mais guloso do que na prova anterior - frutos negros em camada, chocolate de leite - num final médio/longo marcado pela baunilha da barrica. Onde antes havia dureza e alguma secura, encontramos hoje delicadeza e diplomacia. Muito redondo, falta-lhe pouco para atingir o seu melhor, mas está ainda em crescendo. Menos linearidade na boca e seria certamente um "tomba-gigantes" do Douro. Um vinho belíssimo, em suma. Mais um pela mão do enólogo Rui Cunha. Beba-o nos próximos 2 anos.
Passados 15 meses da prova anterior, 5 anos da colheita e 4 anos do engarrafamento... a importância do estágio em garrafa!
17

3 comentários:

Anónimo disse...

Está absolutamente perfumado com compota doce de amora e um final especiado que lhe atribui um toque exótico e oriental. frutos negros em camada, chocolate de leite - num final médio/longo marcado pela baunilha da barrica. Encontramos hoje delicadeza e diplomacia.
Dificilmente conseguiria descrever melhor o Alem Tanha. E ao contrario do que é dito pelo produtor, na minha opinião é um vinho que facilmente se bebe todos os dias, basta ser um verdadeiro apreciador de bons vinhos!

Nuno de Oliveira Garcia disse...

Caro Anónimo, muito obrigado pelo comentário e pelo elogio implícito. Além Tanha agora só talvez em 2007...

NOG

Anónimo disse...

De facto é excelente.
Fico á espera do 2007.................