sexta-feira, novembro 11, 2005

Cortes de Cima Touriga Nacional (T) 2002


Eu e o Ricardo, para a nossa sorte, vínhamos da prova vertical dos vinhos reserva do produtor alentejano Francisco Nunes Garcia. A Cláudia e o Bruno vinham, para o respectivo azar, directamente do trabalho. Encontrámo-nos todos no restaurante “Alqueva”, refúgio alentejano de muita qualidade junto ao antigo edifício Lido a caminho de Queluz.
Vieram as peças de farinheira, os paios, o pão em saco de lona, os queijos, mas a fome não saiu. Carregámos então na carne de alguidar acompanhada ora de migas tradicionais, ora de migas de espargos.
No vinho a escolha estava limitada à região do Alentejo e preferimos uma estreia. O Cortes de Cima Touriga Nacional 2002. É preciso começar por dizer que sou um grande apreciador dos maravilhosos resultados da plantação da Touriga no Alentejo. Os vinhos saem complexos com toques florais e a fruto. Uma maravilha.
Ora, a mais recente experiência de Hans Kristian Jorgensen, saiu também ela fantástica. Após 9 meses em barricas de Carvalho francês o vinho estava jovem com uma cor vermelha muito escura. O aroma dominado por sugestões florais e alguma madeira, mas na boca muita fruta doce e um grande final.
Se os primeiros vinhos Corte de Cima primavam por um estilo exclusivamente de “Novo Mundo”, este Touriga vem mudar um pouco o estilo e, quem sabe, conquistar novos adeptos (é o meu caso). Não admira os 91 pontos da Wine Spectator.

1 comentário:

Anónimo disse...

best regards, nice info »