quinta-feira, junho 17, 2010

Prova especial

Château d'Yquem (B) 1999

Logo no final da colheita, os peritos em "botrytis" foram categóricos em afirmar que 1999 seria um ano mau para o Château d'Yquem. Nós, que não o provámos aquando do seu lançamento, gostamos dele agora, pois apresenta-se, na prova de nariz, com boa complexidade e muita elegância, faltando talvez alguma profundidade para aquele que é, sem dúvida, o rei dos vinhos doces de Sauternes.

A prova de boca é sedosa e envolvente, com uma doçura cristalina que não aborrece (tão diferente de tantos) e um final de boca médio/longo. Ao contrário de outros anos, a "botrytis" não está muito evidente, mas o vinho consegue manter-se gracioso mesmo na quase ausência de tal vital característica, muito devido, a nosso ver, à evolução que já leva em garrafa.

Um vinho doce que marca um estilo copiado em todo o planeta e, em alguns casos, copiado com sucesso. Num momento em que é já possível provar mais de dezena e meia de brancos doces/colheitas tardias produzidos em Portugal, este é, claramente, um vinho a não perder (apesar de sugerirmos uma colheita melhor que esta de 1999, como seja a de 1988, bastante mais cara também). Considerado como o par perfeito do foie gras, nós preferimo-lo a acompanhar uma fatia de tarte de maçã na sobremesa, sobretudo na versão, também francesa, de Tarte Tatin.

17

4 comentários:

João de Carvalho disse...

E eu a pensar que Yquem era vinho sempre para mais de 18... :)

Ai e tal mas Yquem nunca é mau (dizem)... pois mas quantos outros têm direito também eles a 17 valores ? Muitos, mas porra este é Yquem...

Nuno Oliveira Garcia disse...

Caro João,

Dos (não muitos) Yquem que já provei este foi o menos interessante. Todavia, confirmo que, em anos bons, são do melhor que há em matéria de brancos doces.

Agora, uma coisa me parece certa, os anos também contam para os Yqyem... há os bons e os menos bons.

NOG

João de Carvalho disse...

O problema em tudo isto é o preço do menos bom, que me faz dizer logo não e pensar de imediato num Porto Colheita ou num Madeira. Gostos

Nuno Oliveira Garcia disse...

João,

Subscrevo inteiramente.

NOG