quarta-feira, novembro 07, 2007


Quinta do Infantado Reserva (T) 2003

Era a primeira vez que o amigo Honorato ia lá casa e, também por isso, brindámos a sua entrada com um espumante. Esse espumante ajudou, pouco depois, a confecção de um risoto de espargos e cogumelos o qual, por sua vez, mereceu um acompanhamento à altura (do amigo e do risoto, dizemos com pouca modéstia). Qual então o acompanhamento? O Quinta do Infantado Reserva 2003, o primeiro reserva desta quinta da família Roseira, bem perto do Pinhão, que faz muito que produz Porto.

No nariz está, simplesmente, com um bouquet que se coloca entre os melhores do Douro! Claramente a apostar na elegância, tem fruto de qualidade sedutor e muita barrica afinada e, desde já, integrada. Tem ligeiras referências a LBV (que o calor do ano pode explicar), todavia estas não estão impositivas, pois a elegância apresentada evita qualquer laivo mais abrutalhado.

Na boca entra macio, com ligeira concentração, tem um certo carácter lácteo que o torna encorpado mas sem quaisquer exageros (nada químico). Com poucas arestas e sem "pontas soltas", é um tinto de matriz duriense que já dá grande prazer. É, aliás, um verdadeiro "vinho de prazer", e exibe, com orgulho, um daqueles finais longos e acetinados de fazer chorar por mais.

Uns dias depois, o amigo Honorato confessou-nos que gostou muito (do vinho, pois claro) e que tinha ficado com vontade de mais. Também nós... também nós. E o preço ajuda: a menos de € 25 é uma grande compra.

17,5


Próximos vinhos: Quinta do Cerrado Reserva (T) 2003; Quinta da Sequeira Grande Escolha (T) 2002; Calços do Tanha Res. (T) 2003; Monte da Ravasqueira (B) 2006; Herdade de São Miguel Res. (T) 2005; La Rosa Reserve (T) 2004; Quinta do Perú (T) 2004

9 comentários:

Pedro Sousa P.T. disse...

Uma pergunta? Este vinho, pelos vistos um belo Douro, não ia melhor com um prato, também mais "encorpado", do que risoto? Não é que eu seja contra o risoto, e também sou daqueles que bebe pelo vinho, e não pelo que estou a comer, não é que tenha alguma influência, porque tem. Mas já agora, e não é presunção, acho que merecia um carninha elaborada. Não? Abraço.

Nuno de Oliveira Garcia disse...

Que pertinente questão que me coloca! Acredite que percebo bem o que diz: em muitos casos prefiro mesmo um branco com a maior parte dos risoto.

Sucede que este tinto, apesar de encorpado, está muito longe dos vinhos hiper-concentrados que exigem - esses sim, a meu ver, - uma "carninha elaborada".

Na verdade, este Infantado Reserva é mais do tipo elegante (ao género do La Rosa Res. 2004 e talvez do Poeira 2004, mas com menor acidez), pelo que é versátil e calhou muito bem com o risoto de espargos e cogumelos (combinação com leve toque amargo).

Já agora, porque fiquei com curiosidade…, qual seria a sua opção?

Um fortíssimo abraço,

N.

Copo de 3 disse...

João Paulo Martins deixou este Reserva com menor apreciação que o Quinta do Infantado 2004.
Invocando o motivo de que este Reserva estaria a caminhar para o ponto óptimo de consumo.
A diferença de valores rondou um ponto, 17 para o normal e 16 para o Reserva.

No teu entender porque achas que o Reserva foi colocado abaixo do normal, será que o ano também influencia ? O Reserva 2004 vem com 18 valores na RV.

Nuno de Oliveira Garcia disse...

É verdade. Já tinha pensado nisso (cheguei a pensar tratar-se de um lapso…)

É um daqueles casos em que não concordo mesmo com a nota do JPM. Já provei os dois, i.é, o normal '2004 e o reserva '2003, e este último é francamente melhor.

Porventura o '2004 terá mais vida - tem, efectivamente, muito mais tanino e acidez - mas o reserva 2003 é mais conseguido, com muito mais pattine e classe, é um belo vinho (já provaste?).

Se era uma questão de ponto óptimo de consumo, então o JPM terá de pontuar muito melhor o reserva '2004... mas quanto a este nada sei pois ainda não o provei.

Copo de 3 disse...

Caro Nuno, esta questão dá que falar.
Provei o Reserva 2003 pelo menos umas 4 vezes, quando saiu com o João Roseira e contigo, provei novamente no Casino, provei outra vez em casa e provei faz algum tempo num jantar. A vez que mais gostei foi a prova no Casino, achei o vinho muito ao meu gosto, conquista pelo nariz muito afinado e cheio de classe. Já da última vez o encarei com outro olhar, não me transmitiu tantas boas sensações como das outras vezes. Mas será que se vai aguentar muito tempo assim, ou está no topo da subida e agora vem por ai abaixo, qual montanha russa ?

Quanto ao novo estou a aguardar a altura para o abrir, falo do Infantado 2004, provei o 2003 e gostei, dei 16 valores.

Quanto ao novo Reserva, não cheguei a provar. Estive de conversa com o João Roseira e esqueci de provar os vinhos.

Pedro Sousa P.T. disse...

Depois desta vossa troca de ideias sobre o este vinho, por sinal bastante interessante, voltemos ao risoto. Visto que este risoto foi acompanhado com cogumelos e alguns legumes, optaria talvez por um branco mais para o encorpado(o mote foi dado si),talvez um Esporão reserva 2004, ou talvez um tinto entremédio, um Cabriz res. 2004. Agora se o risoto acompanha-se algo mais cosistente, a conversa era outra. Um abraço. E desculpe qualquer tipo de"presunção" que eu tenha cometido. Um abarço.

Nuno de Oliveira Garcia disse...

Caro Pedro,

É muito curioso o que diz, pois já esperimentei um risoto parecido com o que estamos a falar exactamente com um Esporão Reserva (B) 2004 - e gostei muito!

Neste caso, o risoto não "acompanhava"... era mesmo de cogumelos (paris e pleurotes) e espargos e o tinto em causa deu grande prazer. Tem de o experimentar!

Um forte abaço,

N.

Alexandre Matos disse...

Caro Nuno Garcia, uma pergunta muito simples, espero eu, aonde posso comprar este vinho ?

Obrigado

Nuno de Oliveira Garcia disse...

Caro Alexandre Matos,

Imagino que algumas garrafeiras selectas tenham o vinho disponível. Nas "Coisas do Arco do Vinho" no CCB (Lisboa) sei que têm (excepto se já tiver esgotado).

Por outro lado, deve estar para breve o lançamento do 2005 pois a RV já o pontuou (com 18v).

Espero que ajude,

Um abraço

NOG