domingo, março 05, 2006

Cortes de Cima (T) 2002


Já não é a primeira vez que escrevemos sobre este produtor, sito na castiça região da Vidigueira (Alentejo). De facto, faz apenas alguns meses que provámos o belíssimo Touriga Nacional 2003 (ver post de 11 de Novembro de 2005).
Hoje, referimos-nos ao "Cortes de Cima 2002", de preço mais acessível e de maior divulgação nas garrafeiras do nosso país (já que em Londres os vinhos da marca pululam em todas as wineshops de cada esquina).
Feito a partir de Aragonez, Syrah e Cabernet Sauvignon (mais Touriga Nacional e Trincadeira em subtis proporções), mostrou-se de cor vermelha fosca, sem qualquer brilho aparente. Já no nariz, um bouquet a frutos vermelhos bem maduros (já habitual neste produtor) casados com mestria com baunilha e, sobretudo, com especiarias.
Na boca, revelou taninos firmes e alguma complexidade; bem presente a Syrah e o Cabernet (com o Aragonez, em grande proporção, a "misturar" muito bem todo o conjunto).
Numa vindima repleta de chuvas (do norte ao sul do país), o Alentejo não escapou a uma ligeira falta de concentração. Porém, a humidade combinada com as altas temperaturas alentejanas, e uma vindima feita "a todo o vapor", proporcionaram um ano capaz de igualar outros de menos pluviosidade. Nessa medida, não espanta a qualidade deste "Cortes de Cima 2002", como aliás outros do mesmo ano e da mesma região. Bom +.
A menos de 13€ em garrafeira ou num hipermercado com uma decente secção de vinho (eg., Corte Inglês, Jumbo, Continente).