domingo, Setembro 25, 2011

Do antigamente

JMF Garrafeira RA (t) 1985


Quando saiu para o mercado vinha com pergaminhos e estatuto de topo de gama. Afirmava-se caro, e feito para durar muitos anos em garrafa. Procurava reconhecimento numa altura em que os vinhos que evoluíam em garrafa vinham de outras paragens, quase sempre mais a norte.


E a verdade é que, passados uns incríveis 26 anos, uma coisa é certa: o vinho está num óptimo momento de forma. No copo, a cor denota ligeira concentração, encarnado claro, longe de tons tijolados. Nariz muito complexo, com muita fruta ainda (framboesas, ameixa pouco madura), e muitas notas de especiaria e de bazar marroquino. Algum toque de lavanda a tornar o conjunto verdadeiramente apaixonante. Na boca está fresco, com acidez majestosa, e muito saboroso. O final segue em boa forma mas podia ser mais longo. Mais fantástico só carácter aveludado do vinho, redondo e pouco seco.


Mais uma prova que alguns tintos de Setúbal também podem durar décadas (lembro-me de, no ano passado, o João Afonso e o Arlindo Santos terem apresentado a colheita RA de 1992 em prova especial no EVS). Este RA, com mais de duas décadas e meia, consegue combina muito bem um estilo generoso na fruta com uma evolução perfeita a nível dos aromas terciários. Lembra alguns dos melhores tintos Australianos build to last.
Belíssimo!

quarta-feira, Setembro 14, 2011

Do antigamente (ou nem tanto)

Dom Rafael (t) 2001

Bem sabemos que dez anos em garrafa não faz de um vinho um "vinho do antigamente" (quantos anos são precisos para fazer de um vinho um vinho velho?). Mas a verdade é que poucos acreditariam que, passada uma década, este Dom Rafael 2001 estivesse tão interessante. Mais, se as nossas prova dele enquanto jovem nunca nos fizeram recordar que se tratavam de uvas do Mouchão, passados tantos anos o local de nascimento está mais presente, aspecto muito positivo obviamente.

Está num bom momento de consumo, com alguma evolução naturalmente. Aguentará mais 2 anos, estamos certos, mas não se ganhará muito com tal opção. Fruta ligeira e uma rusticidade brava descrevem, em duas notas, este simpático vinho tinto. Muito agradável a acompanhar uma carne grelhada.

quarta-feira, Setembro 07, 2011

Do antigamente

CRF Reserva (t) 1990

Feito maioritariamente (mas não em exclusivo) a partir de Baga, este Bairrada de outros tempos apresenta-se menos cativante que este e ligeiramente mais cansado que aquele outro. Está, todavia, ainda assim com ganas de continuar a dar prazer a quem o bebe, desde que o consumidor seja, naturalmente, um apreciador de vinhos desta estirpe bairradia.

Delicado, directo (não muito complexo, na verdade), marca presença na prova de nariz com notas de fruta encarnada viva que (ainda) convivem saudavelmente com pormenores oxidativos que não perturbam a prova. A boca está um pouco menos interessante, sentindo-se o peso dos anos. Mas mantém-se fresca a prova, e termina com um final de boca positivo, delgado mas com sabor.

(Foi) Provado a solo. Depois, bebido a acompanhar uma cabidela, deu mostras do seu valor gastronómico (como seria, aliás, de esperar) sem nunca saturar o paladar nem fazer adormecer os sentidos. Em suma, vale a pena provar este CRF, e vale ainda mais bebê-lo!