quarta-feira, Agosto 31, 2011

Do antigamente

Vald Arcos Garrafeira (t) 1989

Ocasião para voltar a provar – e regressar a escrever - sobre vinhos menos recentes, com predomínio daqueles provenientes da Bairrada, esta que é uma das regiões do país capaz de produzir vinhos verdadeiramente duradouros e sólidos.

Esta garrafeira das 'Caves Vald Arcos' continua em forma (poderá ser bebido sem pressas nos próximos anos) e pouco mais lhe pode ser pedido. Apesar da passagem dos anos (quase 22...), mantém-se fiel ao estilo duro que a marca cultivou, revelando todavia boa e fresca fruta da Baga, sobretudo na prova olfactiva.

Na boca, a fruta está menos presente, revela boa complexidade e taninos finos. Porém, uma grande secura no final de boca (que não dos taninos) não permite que se atribua o adjectivo de elegante e, muito menos, merece que se diga ser sedoso. Em todo o caso, está muito interessante e, claro está, gastronómico.

Mais uma prova da vitalidade dos Bairradas clássicos, sendo este um daqueles que mais segue um estilo seco e rústico cada vez menos comum na região.

quarta-feira, Agosto 17, 2011

de França

Egly-Ouriet Grand Cru Vieillissement Prolongé
Egly-Ouriet Premier Cru "Les vignes de Vrigly"

Tenho deliciado-me com os champagnes Egly-Ouriet faz tempo, mas sempre fora do nosso querido país, e por regra em restaurantes caros com garrafeira selecta. Em Portugal nunca os encontrei. E, contudo, são dos meus preferidos, por serem complexos e potentes; mais aptos a acompanhar um menu completo do que aperitivos; mais aptos para a mesa do que para o namoro... E, pois claro, são mais baratos que os Krug.

A boa notícia é que estão, finalmente, disponíveis em Portugal em algumas garrafeiras (dizem-me que mais para o norte do que para o sul do país). Estes dois champagnes foram provados lado a lado, com o Grand Cru extra-bruto, cheio de acidez e ainda assim elegantíssimo, a ganhar um ligeiro avanço, sobretudo pela nossa preferência pelos "pas-dosage" (17,5+). E isto porque o "Les vignes de Vrigly" brut é muitíssimo interessante, complexo e intenso, um lote exclusivo de Pinot Meunier (17,5) de uma vinha recentemente adquirida pelo produtor que não sendo Grand Cru tem tudo para o ser. Não deixa de ser curioso ser um vinho de uma só vinha (o que não é muito comum na região) e logo da casta que geralmente fica na sombra da Chardonnay e do Pinot Noir.

Sita num dos melhores terroirs para Champagnes - Ambonnay - os segredos do sucesso são uma agressiva monda em verde no Verão (o que leva a uma limitadíssima produção), o prolongado tempo de estágio, e o carácter seco dos vinhos (todos muito "brutos"). São, como se diz por aí, "a nossa praia" em termos de perfil!

Também há um tinto de Pinot Noir, relativamente raro e não barato, que é dos melhores da região (com a denominação "Coteaux Champenois" que, não sendo muito conhecida, pode original óptimos vinhos, sobretudo nos anos mais quentes) a lembrar alguns Borgonha, mas que não será (julgo) importado.

segunda-feira, Agosto 08, 2011

Provas

Contraste (t) 2007

Muito interessante este vinho da colheita de 2007. Nas antípodas de muitos tintos modernos do Douro, este está mais fresco, com fruta encarnada e um ligeiro toque "animal" a dar piada. O ano - não muito quente - ajudou, é certo, mas percebe-se que existe por aqui um registo próprio, um estilo que se pretende. Nós gostamos.

Na prova de boca, mantém o mesmo registo, muito gastronómico, acidez vincada, fruta mais do que suficiente mas sempre numa toada fresca e cativante. Um daqueles vinhos que se bebe com prazer de beber e não apenas de provar. Talvez ainda melhore mais com uns aninhos, e com mais complexidade estamos certos que seria um vinhão.

16,5

sexta-feira, Agosto 05, 2011

Novidade

Secret Spot Alentejo (t) 2008

Existiam já duas edições de Secret Spot, os topos de gama da empresa com o mesmo nome: um tinto no Douro (2004 e 2005, salvo erro) e um moscatel velho também do Douro (com, pelo menos, dois engarrafamentos). Esta é a primeira colheita no Alentejo. E que tinto! Não se conhece ao certo onde estão localizadas as vinhas, para além de se saber que é um vinho alentejano. Pela frescura que tem, apostamos nas regiões a norte de Estremoz. Pela complexidade que apresenta, apostamos em vinhas velhas, com várias castas misturadas.

A primeira nota olfactiva pode ser perturbadora, tanta é a diferença para com a maioria dos tintos alentejanos e a intensidade das notas a azeitona verde, caruma e vegetal seco. Ligeiríssima nota animal também presente. Muitos não gostarão desta primeira abordagem, intensa, máscula mas nada sobremadura - mas nós... bem, nós somos fãs! Com arejamento surge uma fruta negra (ameixa), decadente, muito profunda como que inalcançável, tudo num conjunto de grande mineralidade.

Prova de boca fresca, demolidora pela complexidade em alta, taninos firmes mas maduros, com torrefacção e deliciosas referências a café. Saboroso final de boca, portentoso e em crescendo que termina em suave amargo.

Um dos melhores lançamentos provados este ano. Parabéns à Secret Spot Wines e, em especial, ao Gonçalo Sousa Lopes e ao Rui Cunha.

17,5-18  

segunda-feira, Agosto 01, 2011

Novidade

Casal Sta. Maria (b) 2010

Mudou de nome este vinho sintrense. Sobre a sua origem e história já nos referimos aqui a propósito da colheita de 2009, então denominado "Senhor da Adraga". A colheita de 2010 repete a fórmula; usando conhecidas castas internacionais como a Chardonnay e Semillon, mais a nossa Alvarinho, produz-se um vinho onde o terroir se impõe.

Explicamo-nos: apesar das castas utilizadas - e, como vimos, não são quaisquer umas, antes as mais famosas de França -, temos aqui um vinho cuja prova não nos remete para as referências habituais da Chardonnay ou do Semillon. Por outras palavras, não são as castas a comandar a prova (nem de nariz, muito menos na boca), mas uma frescura atlântica muito seca - quase palha na boca, com poucos tiques frutados ou florais - e uma acidez vincada.

Curiosamente, provámos, novamente, a colheita de 2009 e já o achámos menos interessante. Com a evolução, a acidez altiva quase excessiva já lá não mora (mas ainda está seco e apetecível), e descobrem-se, agora, as referências de cada casta. Em suma, está menos sintrense e mais internacional (e apostamos que muita gente até gostará dele mais assim; mas nós não).

O 2010, por ora, está muito bom, apesar de já não existir o factor surpresa. Aconselha-se a não guardar muito mais o 2009 e "atacar", de imediato, o 2010.

16,5