terça-feira, Janeiro 30, 2007

Vinhos da Quinta da Atela



Uma das regiões que cedo arrancou com projectos com "pés e cabeça" foi o Ribatejo. É difícil saber o futuro da região, mas, em rigor, é difícil saber qual o futuro de várias regiões portuguesas - o que fazer com tanta vinha e com tanto vinho?. Às portas de Lisboa, o Ribatejo tem vindo a aproveitar a grande quantidade de vinha que dispõe para elaborar vinhos com preços comedidos e qualidade certeira. Acresce que a aposta de muitos produtores em tintos de carácter moderno e internacional deu um empurrão adicional para colocar a região no mapa. E bem o merece!
Ora, situada neste mesmo Ribatejo, mais concretamente no Concelho de Alpiarça, ficam os 600 hectares da
Quinta da Atela, com regadio, montado e vinha. Pertencente à mesma família há várias gerações, foi contudo nos anos noventa que teve lugar uma importante reestruturação da vinha, e, já em 2003, uma profunda reestruturação na adega.
A gama dos vinhos é variada, mas os mais interessantes carregam o nome da casa. Destes provámos 3, um surpreendente sauvignon e dois tintos.
  • Quinta da Atela Sauvignon (B) 2005: Que surpresa! Um nariz fantástico, mineral e muito herbáceo. Na boca é suave, notas a toranja que transmitem uma sensação amarga típica da casta. Bom corpo mas nada pesado ou chato. Elegante e muito afinado é um dos melhores brancos das terras ribatejanas que já provei. A menos de 5 € é um excelente preço. 16
  • Quinta da Atela Merlot (T) 2004: No copo mostra-se com ligeira concentração, cor cereja suave. O nariz está noviço e com força, transborda framboesa, compota de morangos e álcool no "retronassal". Linear na boca, ataque dócil, mantém-se a percepção da casta francesa com frutos vermelhos exuberantes e... novamente o álcool. Final de média intensidade, taninos no sítio, mas a dar boa prova para já. O carácter didáctico (merlot bem marcado), e facto de estar pronto a beber (álcool à parte) são o melhor a retirar deste vinho. A menos de 7 €. 15
  • Quinta da Atela (T) 2004: Por ser de um lote no qual entra um bom punhado de castas está bem melhor e menos linear que o extreme merlot. Aroma franco, acidez elegante, fresco e frutado. Sentem-se o syrah e o merlot na boca com muita fruta, enquanto o nariz mantém-se apimentado pelo cabernet. Suave, redondo, bom final (médio/longo), poderá beneficiar com mais 1 ano de garrafa. Um tinto muito interessante e mais complexo do que é costume no Ribatejo. A menos de 12 € não é propriamente caro.16

quinta-feira, Janeiro 25, 2007

AALTO (T) 2001


Este é um daqueles vinhos recentes mas já com alguma história. Estórias, melhor dizendo e quase todas em torno dos seus fundadores carismáticos Mariano García (Bodegas Mauro, ex-Vega Sicilia) e Javier Zaccagnini (presidente durante anos do "Consejo Regulador de Ribera del Duero"). A bodega foi fundada em plena Ribera em 1998 e, desde a primeira colheita, tem coleccionado 90 e mais pontos atribuídos pelo Sr. Robert Parker. Com este início, está bem de ver, é só sucessos, contanto agora com um topo de gama ainda mais impressionante: o "Aalto PS (T)".
Sucede que não é por estas exéquias que a minha garrafa é (era!) especial. Lembro-me sim de ter parado o jipe, faz quase dois anos, fazer depois uma perigosa inversão de marcha e ter voltado para a direcção de Peñafiel. Na primeira tienda de "vinos y quesos" que encontrei comprei-a por um preço que hoje parecerá ridículo. Que viagem!
Mas, vamos ao nosso AALTO (T) 2001, o qual impressiona logo na cor, lindíssima num rubi muito escuro sem qualquer sinal aparente de evolução e escondendo os mais de 20 meses (é verdade!) de estágio em barrica. O nariz começa com muita fruta no primeiro impacto - é impossível não recordar o cheio característico do tempranillo espalhado pelas bodegas de Pesquera. Depois, pouco depois, evolui para um conjunto extraordinário de aromas minerais, fumo e um fundo vegetal e terra molhada. Na boca, frutos negros e tabaco voltam a repartir o jogo das sensações, algum final de boca animal que não chega a desagradar e taninos ainda totalmente firmes. Este está daqueles tintos "que dura e dura...". Final médio/longo que peca por não ser saboroso. No geral, um pouco mais guloso e seria perto da perfeição.


17,5

quarta-feira, Janeiro 24, 2007

Carmim Aragonês (T) 2004


Cor rubi escura, aureola clareada e muitos indícios de falta de concentração. Nariz com referências obvias à casta mas tudo muito limitado. Na boca está muito fraco, fruta monótona, sem qualquer intensidade e alguma madeira queimada enjoativa. Corpo inexpressivo e um final... mas qual final?
Um vinho que faz lembrar algumas "coisas" que já não provava faz tempo. Com este vinho a Adega Cooperativa de Monsaraz recua anos em termos de qualidade ("não havia necessidade"). Uma vila tão bonita merece melhor vinho! Vale o carácter aromático no início de prova para o salvar de uma nota mais próxima da negativa.
A menos de 5 €, mas não se recomenda a compra.

13
PS - A foto foi pedida de empréstimo ao Pedro, ao qual agradecemos.

segunda-feira, Janeiro 22, 2007

Quinta do Além Tanha (T) 2001

É caso para dizer: a importância do estágio em garrafa!
É assente que o estágio em garrafa assume, à semelhança do estágio em barrica, uma importância fulcral no resultado final de um vinho. A tendência recente de colocação dos vinhos no mercado após um ano (nos brancos) ou dois (nos tintos) da colheita faz com que alguns néctares sejam consumidos demasiado novos. Pode dizer-se: "compra novo e bebe passados uns anos". Mas, como bem sabemos, isso não é fácil: se um vinho sai para o mercado em 2006 é muito provável que o enófilo curioso já o tenha provado antes de 2007. E nem toda a gente pode ter o luxo de comprar caixas de vinhos para observar a sua evolução.
Mas como dizia, já lá vão 5 anos desde a colheita de 2001. Elaborado pela "Quinta dos Avidagos" a partir de vinhas velhas (indicação que passa a constar do rótulo a partir da colheita de 2003), provámos pela primeira vez este Quinta do Além Tanha (T) 2001 em Novembro de 2005, faz já quase 15 meses (ver aqui). Então, pareceu-nos já guloso, mas um pouco duro com algumas notas verdes e minerais não totalmente enquadradas no perfil do vinho. É verdade que tinha tudo para ser um vinho deveras aprazível - foi sempre uma recomendação nossa - mas faltava-lhe algo... o "bouquet" parecia reduzido, e os frutos negros que surgiam na boca tapavam demasiado a madeira.
Sucede que, passados os tais 15 meses no silêncio da cave, muito mudou! O vinho mantém-se jovem na cor num bonito tom vermelho escuro, e jovem continua também o nariz. Mas agora está absolutamente perfumado com compota doce de amora e um final especiado que lhe atribui um toque exótico e oriental. Na boca está ainda mais guloso do que na prova anterior - frutos negros em camada, chocolate de leite - num final médio/longo marcado pela baunilha da barrica. Onde antes havia dureza e alguma secura, encontramos hoje delicadeza e diplomacia. Muito redondo, falta-lhe pouco para atingir o seu melhor, mas está ainda em crescendo. Menos linearidade na boca e seria certamente um "tomba-gigantes" do Douro. Um vinho belíssimo, em suma. Mais um pela mão do enólogo Rui Cunha. Beba-o nos próximos 2 anos.
Passados 15 meses da prova anterior, 5 anos da colheita e 4 anos do engarrafamento... a importância do estágio em garrafa!
17

Garrafeira Diogos (Funchal)


É sabido que a Madeira é a pérola do Atlântico. O que eu não sabia é que quase a meio do Atlântico existia uma pérola para o enófilo. É verdade, bem no centro do Funchal, na elegante Avenida Arriaga, fica a garrafeira Diogos. Naturalmente, a selecção de vinhos da Madeira é vasta (muito superior ao que se encontra no continente), mas o que mais agrada é a criteriosa selecção dos vinhos DOC e de mesa nacionais, com destaque inevitável para as regiões do Douro e Alentejo. Interessante – e até certo ponto surpreendente pois a insularidade tende a onerar os mais diversos produtos – é o preço simpático de várias propostas vinícolas. Em alguns casos, o preço é verdadeiramente fantástico se pensarmos que estamos numa garrafeira repleta de requinte com atendimento personalizado. Querem 2 exemplos? Meandro do Vale Meão (T) 2004 a 8 € e La Rosa Reserve (T) 2004 a 21 €. Existe ainda a possibilidade de provar vários licores e alguns Madeira 10 anos (Boal/ Verdelho), bem como participar em eventos como encontros com produtores. A simpatia de quem nos atende (o Sr. Américo e o Sr. Leandro no meu caso) é outro plus. Não admira que enófilos despontem na ilha, como o Rui Sousa.

sexta-feira, Janeiro 19, 2007

Apegadas Quinta Velha Res. (T) 2004


Há apenas 5 anos atrás era quase impossível encontrar um vinho como este no Douro. Sem tradição familiar, sem um grupo económico de suporte, apenas o incansável desejo e "carinho muito especial" pela região (fazem questão de o dizer) dos dois sócios. A Quinta das Apegadas é assim mais um recente projecto fruto da paixão de querer fazer vinhos. Hoje em dia começa a ser comum esta aposta no cometimento de produzir vinho, de viver afastado da cidade, de ajudar a natureza a recuperar tempo perdido. Foi isso que decidiram fazer Cândida e António Amorim adquirindo, em momentos diferentes, duas quintas, a Quinta das Apegadas no concelho de Mesão Frio (Baixo Corgo) e a Quinta Velha, uma propriedade centenária, situada na margem direita do Douro Cima Corgo. É desta última Quinta que sai o tinto ora provado. Cor jovial, generoso de tintura em tons cereja muito vermelha. Nariz arrepiante, uma capa de álcool sobrepõem-se imediatamente a uma madeira discreta mas gulosa. Na boca é compacto, arredondado por uma barrica que ajuda a harmonizar um conjunto forte e complexo. Tudo no sítio, muito agradável, acidez média. Final médio/longo com notas a compota e café. Um belo vinho! E uma grande estreia! A menos de € 20.

16,5

quinta-feira, Janeiro 18, 2007

Revisitação:


  • Damasceno (T) 2003: Quando o provámos faz mais de ano e meio (ver aqui) gostámos do que bebemos apesar de excessivamente doce, carregado, estruturado pelo álcool (14,5%). Por tudo isso, ficámos com dúvidas sobre a saúde que teria neste início de 2007. Pois bem, continua vivo de açúcares - pelo que me atrevo a sugerir servir a uma temperatura entre 15º a 16º - e a boca cheia a fruta madura. Estará porventura mais equilibrado, mas mantém-se muito centrado na fruta e de final apimentado, com uma sensação a "pico" que, por vezes, o castelão teima em largar na língua. Para beber já, e a acompanhar uma mousse de chocolate apesar de não se tratar de vinho generoso. Provem a edição de 2005, mais harmoniosa com 13,5% álcool e sem castelão a entrar no lote. A menos de € 9. 14,5

quarta-feira, Janeiro 17, 2007

Quinta da Padrela


A Quinta da Padrela situa-se no Concelho de Tabuaço, Cima Corgo portanto. Em termos de longitude está, de forma pouco precisa, no enfiamento de Ferrão, mas na margem oposta e mais a sul. Com 12 hectares, vinhas dos 20 ao 70 anos, todas em solo xistoso e a 400 metros de altitude, está bom de ver que os seus néctares transpiram os aromas do Douro. Com um cariz familiar, lançou-se no sonho de comercializar a "bebida mais civilizada do mundo" (disse-o Hemingway) e tem dois vinhos a postos cuja exportação tem sido um êxito. O primeiro foi provado 2 vezes – com um intervalo de mais de seis meses – e as notas que se seguem são as da segunda prova realizada já no início deste mês de Janeiro. Trata-se de um projecto promissor que parece assentar num perfil claramente duriense e que, neste momento de voragem de marcas, merece o nosso destaque pela genuinidade dos seus vinhos. Original é a escolha das garrafas, de vidro fino e dimensão reduzida (mas mantendo 75cl de capacidade), muito práticas e leves de transportar. Vejamos então:

  • Quinta da Padrela (T) 2004: Cor viniosa de tons cereja. Nariz intenso, algum álcool e uma combinação curiosa entre estilo marcadamente vegetal (duro) e notas de fruta preta amarga. Na boca temos harmonia sem laivos de madeira por perto com taninos agrestes a pedir tempo de garrafa. Com o trago mantém-se vigoroso o seu lado vegetal com notas a espargos e aneto. Tudo muito vivo, fresco mas também curto, com um final pouco persistente. Está menos acabado que o irmão reserva e, por isso, um ano de garrafa (pelo menos) só lhe fará bem para diminuir a adstringência e irreverência da juventude. A menos de 8 €. 15
  • Quinta da Padrela Reserva (T) 2004: Rubi muito negro, com auréola escura e alguma espuma. Nariz novo, menos vegetal que o anterior, arrebita um nariz sedutor a cereja, noz moscada e alguma pimenta branca. Na boca mantém o equilíbiro do irmão, mas eleva-se num (ou mais) patamar de qualidade. Muita concentração, esgaço, notas amargas a chocolate preto e azeitonas, castas bem trabalhadas, enfim um vinho que pede uma refeição. Final médio a prometer mais. Em crescendo. O contra-rótulo fala em cariz moderno mas não parece ser o caso. "Douro clássico bem feito" isso sim! E não é pouco. Se gostei? Gostei muito. A menos de 14 €. 16

terça-feira, Janeiro 16, 2007

Quinta do Portal Touriga Nacional (T) 2000


Cor cereja escura, sem evolução precoce ou evidente. No nariz: touriga, touriga e touriga. Muita bergamota, num conjunto floral agreste e seco, mas cativante e insinuante! Depois, na boca, seguem-se as notas a casca de laranja, algum caramelo e referências sumidas a chá preto, tudo onde um final médio/curto desaponta e destoa. Curiosamente, passada a primeira meia hora, o vinho como que cai, desmaia na boca, gasta-se rápido e parece perder fôlego.
Por não ser um maratonista não deixa de ser um bom representante da casta nacional tida como a mais reputada da actualidade. E está pronto a beber. Não espere por ele.
A menos de € 22 nas boas garrafeiras. 16
PS - Faz precisamente um ano provámos o "Portal Reserva 2000" (aqui).

segunda-feira, Janeiro 15, 2007

Inesquecível!

Tudo começou aqui faz quase um ano. Depois ali. E depois já não consigo saber mais ao certo, pois o Rui e o João arregaçaram as mangas. E...
Na passada sexta-feira encontrámo-nos quase todos, os já referenciados e mais ainda a cambada amiga do vinho a copo (com o seu "camisola amarela"), os krónicas e mais os vinhos. Na "York House", como combinado, estava a sala de prova quase cheia quando entrei. Um encontro deste calibre, só possível após a existência consolidada de enoblogs, é algo para qual não se está preparado, não se sabe o que esperar, o que pode acontecer. Neste caso, tudo correu como se uma organização profissional estivesse por detrás do "evento". E estava, se pensarmos na tarimba do anfitrião ZT Mello Breyner!
As provas foram em catadupa, do Alentejo à Madeira (graças a este homem nas ilhas), passando pela Bairrada e Palmela, da Estremadura ao Algarve. Do Douro vieram duas ante-estreiras pela mão amiga do AJS: o Pintas (T) 2005 e o Pintas Character (T) 2005. Do Douro veio ainda o vinho mais gastronómico da noite, o Sirga (T) 2004. Convidados especiais também os houve: para além dos amigos "independentes" - Chapim, Pedro Sousa e Chicão obrigado pela V. presença -, recebemos a Allison e o Joaquim, principais responsáveis pela recente marca alentejana "Azamor".
Depois a comida, quase imaculada a não fazer sombra aos vinhos (como competia), e de novo os néctares. Brancos doces, brancos, tintos, tintos em magnum - Hexagnon (T) 2000 em bom nível -, Portos - santo Warre's 1995 LBV! - e um Madeira - fantástico Boal 10 anos. Deu ainda tempo para provar - off the record - o Quinta da Gaivosa (T) 2003.
Fica muito por (d)escrever? Certamente! Mas não para esquecer.
Certamente inesquecível.

domingo, Janeiro 14, 2007

Fonte das Moças (T) 2003


João Melícias já nos habituou a óptimos vinhos. Lembro-me, de repente, de uma mão cheia de grandes tintos alentejanos (de Montemor a Cuba) feito pelo "Enólogo do Ano 2005 (RV)". Agora dá-nos o prazer de provar um projecto mais pessoal, concretizado pela sociedade "Agro Vitis" na Estremadura (Torres Vedras).
Mostra-se novo na cor, cereja escura tintada, mas o que sobressai de imediato é o nariz... que "bouquet" explosivo: fruta confitada, ameixa preta e amora, bombom de chocolate, fundo lácteo, tudo muito internacional. Na boca, a combinação do aragonês (30%) e da syrah (20%) domina num estilo impositivo, com fruta muito marcada a pedir mais uns meses de garrafa. Por seu lado, a touriga nacional (50%) parece dar-lhe um futuro radioso com taninos rijos. Final de grande intensidade. É de gritar: modernidade na Estremadura!
Com um preço quase imbatível, tudo tem para ser um sucesso de vendas, excepto o facto do mercado não estar virado para sucessos de venda e a produção ser limitada a menos de 7.000 botelhas. É pena. Não é fácil encontrá-lo, mas o preço não deverá ascender uns simpáticos € 6. 16

sexta-feira, Janeiro 12, 2007

Tapada de Coelheiros (T) 2001


Aconteceu o vinho ser a melhor coisa da noite passada. O vinho pode ter esta virtude, a qualidade de se manter fielmente aprazível numa refeição que está a correr mal. Foi isso que aconteceu ontem...
Intróito à parte, faz tempo que adoro beber um tinto alentejano com 5/6 anos a acompanhar carne vermelha simples. O Tapada de Coelheiros (T) 2001 foi o sacrificado; para mim, o seu sacrifício foi o único prazer. Mostrou-se vivo no copo, a cor está cereja vermelha com um círculo aureolar mais esbatido. Após alguns minutos de arejamento, transpirou aromas finos e elegantes a fruta vermelha fresca, esteva com notas de menta suaves, tudo muito elegante e afinado. Nada de brutalidade, apenas serenidade. A boca mostrou-se complexa, com a fruta menos presente parcialmente substituída por referências herbáceas e apimentadas (do cabernet) e alguma baunilha do carvalho francês. Final conivente , médio/longo.
Não se tratando do famoso "garrafeira", este Tapada tinto de 2001 surpreendeu muito positivamente com sua evolução. O preço vai variar muito do local onde o comprar (e será preciso procurar um pouco), e poderá ser particularmente elevado na restauração. 16,5

segunda-feira, Janeiro 08, 2007

Tintos para o "dia a dia" ou para várias ocasiões: Lybra e Taká

Um bom tinto para o dia a dia não é fácil de se encontrar. Dir-se-á que basta que seja bom e barato, mas sabemos bem que isso não é verdade. Para além dos dois referidos indispensáveis requisitos, é ainda preciso que o vinho não seja chato ou monótono, que combine com vários pratos de diferente culinária, que se adeqúe a refeições que viram em festas de um momento para outro, enfim vinhos nos quais se pode confiar quase a 100% para todos os trabalhos. Nesta nossa busca incessante desse vinho ideal para o quotidiano surgiram-nos dois recentes concorrentes. Foi assim que provámos o Lybra (T) 2004 de José Bento dos Santos e o Taká (T) 2005, projecto resultante da fusão dos esforços do escanção Bruno Antunes (Ritz), da Adega Algarvia e do enólogo Paulo Loureano.

  • Lybra (T) 2004: Cor cereja escura e notas aromáticas a fruto preto (amoras) marcam a apreciação inicial. Entra com confiança no nariz, rapidamente dá a entender ao que vem. Os 90% de Syrah, e as manhãs frias da Estremadura, são suficientes para criar uma sensação muito agradável entre fruta e frescura. O estágio em madeira de 12 meses quase não se nota (madeira de 2.º ano), o que se agradece num vinho deste perfil. Na boca sentem-se notas a balsâmico, é quase pastoso sem ser imponente e mantém-se de perfil atraente - e final de boca médio - durante toda uma refeição. Acompanhou com muita bravura um creme de castanhas com espuma em cappuccino e pinhões torrados, bem como umas tenras bochechas de porco preto em cama de couves. A menos de € 12 em garrafeira, é um óptimo vinho para várias ocasiões mas não é propriamente acessível para todos os dias. 15,5
  • Taká (T) 2005: Muita cor no copo fruto da juventude: cereja escuro no copo meio cheio, e tons arroxeados com o copo quase vazio ("vis-a-vis" alicante bouschet). Nariz intenso, vibrante, é um lote alentejano com o aragonês em maioria e cheio de força, sem pretensões de elegância ou romantismos. Mais guloso do que propriamente sedutor na boca, pode-se tornar aborrecido pela linearidade da fruta doce e compota que demonstra, mas será muito eficaz na hora de atacar carne vermelha simples. No nosso teste, deu luta a um pato com laranja acompanhado por um risotto de pimentos feito em casa. A menos de € 5 no Supercor ECI. 15