sexta-feira, Março 24, 2006

Kefren (T) 2001


De mim para mim, este é um vinho certamente especial... foi-nos vendido em plena DOC Rioja no local onde pernoitámos, mais precisamente em Ábalos, cidade de cor de terra. Mas voltemos ao início:
Os bons tintos de Rioja tem vindo recentemente a modernizar-se, deixando para trás o excesso de regulamentação que as classificações espanholas (eg., crianza, reserva, gran reserva) impõem, o que em muito limita a criatividade.
A bodega Kefren, com nome de pirâmide (escolhido pela semelhança com a elevação onde a vinha está plantada) é muito recente, começou em 2000 e tenta fugir à tradição (o que não é fácil por aquelas bandas). O vinho, longe do estilo clássico e cansativo dos Rioja tradicionais, é de autor!
Logo se que se sacou a rolha (a custo!) lembrámo-nos daquele território quase desértico protegido dos frios do norte pela Serra Cantábrica, com um aroma a revelar alguma baunilha mas mostrando-se ao mesmo tempo jovem e cheio de força.
Na cor apresentou-se um tempranilho vermelho grená, mais escuro do que é costume para esta região.
Na boca foi a confirmação de um grande vinho, densidade perfeita, várias camadas de fruto no paladar: primeiro mais madura, depois mais fresca, e depois ainda a madeira (notas a lembrar fósforos e especiarias exóticas). Por fim, uma acidez viva que garante pelo menos mais 5 anos em garrafa e um final super guloso.
Um grande tinto de Rioja (uma descoberta algo pessoal!) a mostrar que a zona não tem apenas passado.

terça-feira, Março 21, 2006

Sugestões de restauração

Deixando os vinhos de lado (é pouco tempo, bem o sabemos), escrevo sobre dois restaurantes relativamente recentes e que merecem, sem qualquer dúvida, uma visita.

  • O primeiro chama-se “Amarra o Tejo”, sito no jardim do castelo de Almada (na parte velha, pouco acima da Incrível Almadense - os amantes de música sabem onde fica). Em pleno miradouro – com Lisboa aos pés – ergue-se um restaurante onde o peixe é o menu principal. Mas não se basta com peixe fresco grelhado, pratica-se também alguma cozinha mais requintada servindo, a título de exemplo, uma bela asa de raia em molho de alho com alcaparras e pasta de azeitona. Uma lista de vinhos (lá está... que não consigo resistir em falar deles!) bem elaborada, com uma variedade significativa de rótulos, copos a preceito, puros conservados em condições propícias de humidade, enfim... tudo o que se deseja. Em rigor, já bastaria a boa comida, mas com a vista deslumbrante e qualidade no serviço, é um programa a repetir.
  • O segundo restaurante tem por nome “À volta do vinho”, e centra a sua actividade em proporcionar refeições onde o vinho e o comer estão relacionados em absoluto. Às quintas-feiras este desígnio é exponenciado pela apresentação de um menu de degustação, acompanhado de vinho a copo seleccionado pelo proprietário para cada prato. Fica localizado entre o Palácio de S. Bento e a Praça das Flores (na segunda rua à direita de quem sobe) e tem um preço em conta.

sexta-feira, Março 17, 2006

Notas breves: Tintos

  • Calda Bordaleza (T) 2003: Belo vermelho rubi compacto sem se aproximar da negritude. Na boca este bairradio é elegante, alguma acidez a compor o conjunto das castas francesas. Sente-se pouco o álcool. Muito interessante. Bom+.
  • Terras do Zambujeiro (T) 2002: Um alentejano com 24 meses de barrica! É obra. Mas é muito bom também. Naturalmente a fruta está menos presente, sobressaindo notas de couro e especiarias. Um alentejano diferente, pouco fresco mas muito intrigante. Bom+.

quarta-feira, Março 15, 2006

Esporão Private Selection (B) 2004

Contrariamente ao que havia ouvido e lido sobre ele, este Esporão branco mostrou-se bastante fresco. É certo que lá estava a cor âmbar, o corpo cheio e aveludado, o doce e o mel como sabores primários... mas e aquele final? O que dizer daquele final citrino e floral, ligeiramente acídulo (ora acético ora doçura) a pedir mais um sorvo?
Um grande branco do Alentejo, mas que penso não servir para guardar pois falta-lhe a estrutura e acidez adequada. Com mais este vinho Portugal subiu mesmo um patamar nos brancos, onde andávamos coxos não fora a honra dos "Alvarinhos" e de alguns "Encruzados".
E acreditem que é mais fresco e citrino do que andam por aí a pregar. A não perder... isso de certeza.
A menos de €15 nas garrafeiras de todo o país.

segunda-feira, Março 13, 2006

Notas breves: 2 brancos franceses bem diferentes

  • Coteaux du Lapon, (B) 2003, Domaine Pinsonnerie: Muito doce este vinho do Vale de Loire. Bonita cor, corpo grosso, pena o final não muito gordo. Algo enjoativo, mas o problema pode ser meu posto que não aprecio brancos doces. Em todo o caso, acompanhou bem um fois gras da loja parisiense especializada "Petitte Scierie". Bom-.
  • Laroche Chablis (B), 2004: Cor amarela clara (esperava melhor neste aspecto), notas de maçãs, mas também algum fundo mineral que gostei muito. Toda alegância da marca (muita finesse), faltou-lhe apenas um final mais digno (longo) e uma fruta mais exótica pois prevaleceram apenas os citrinos. Bom.

quinta-feira, Março 09, 2006

Quinta da Trovisca (T) 1999


O nariz assustou-se no início com uma acidez trasbordante e fora de vulgar para uma colheita de 1999. Algum travo a álcool, aroma surpreendentemente jovem, alguma fruta (sem camadas em destaque), tudo banal.
Na cor não se vislumbrou brilho, antes mostrou-se vermelho rubi já com alguma evolução, e transparências típicas de um vinho pouco encorpado.
Na boca foi vigoroso, mostrou-se saudável, a fruta é de qualidade mas deu a ideia que não foi bem trabalhada. Depois foi austero, aqui e ali um pouco de pó talco e laivos de tabaco, mas tudo rude. Alguma frescura, morango silvestre, notas de madeira sem classe (provavelmente de barricas de terceiro ano), sensação a madeira queimada. Tudo muito linear. Ressaltou a Touriga Nacional, mas sem glória.
Suficiente - .
Preço não disponibilizado.

domingo, Março 05, 2006

Cortes de Cima (T) 2002


Já não é a primeira vez que escrevemos sobre este produtor, sito na castiça região da Vidigueira (Alentejo). De facto, faz apenas alguns meses que provámos o belíssimo Touriga Nacional 2003 (ver post de 11 de Novembro de 2005).
Hoje, referimos-nos ao "Cortes de Cima 2002", de preço mais acessível e de maior divulgação nas garrafeiras do nosso país (já que em Londres os vinhos da marca pululam em todas as wineshops de cada esquina).
Feito a partir de Aragonez, Syrah e Cabernet Sauvignon (mais Touriga Nacional e Trincadeira em subtis proporções), mostrou-se de cor vermelha fosca, sem qualquer brilho aparente. Já no nariz, um bouquet a frutos vermelhos bem maduros (já habitual neste produtor) casados com mestria com baunilha e, sobretudo, com especiarias.
Na boca, revelou taninos firmes e alguma complexidade; bem presente a Syrah e o Cabernet (com o Aragonez, em grande proporção, a "misturar" muito bem todo o conjunto).
Numa vindima repleta de chuvas (do norte ao sul do país), o Alentejo não escapou a uma ligeira falta de concentração. Porém, a humidade combinada com as altas temperaturas alentejanas, e uma vindima feita "a todo o vapor", proporcionaram um ano capaz de igualar outros de menos pluviosidade. Nessa medida, não espanta a qualidade deste "Cortes de Cima 2002", como aliás outros do mesmo ano e da mesma região. Bom +.
A menos de 13€ em garrafeira ou num hipermercado com uma decente secção de vinho (eg., Corte Inglês, Jumbo, Continente).

sexta-feira, Março 03, 2006

Casa de Santar Touriga Nacional (T) 2000


O actual topo de gama deste clássico produtor do Dão superou finalmente o maior defeito (seria feitio?) que sempre demostrou o seu vinho "Reserva". De facto, os "Quinta do Santar Reserva", colheita após colheita, vinham a deixar-me um travo a madeira queimada na boca e um nível de concentração abaixo do desejado e esperado.
Pois bem, o actual topo de gama é um monocasta Touriga Nacional e é um espanto. Aliás, soluciona de uma assentada as duas referidas "imperfeições".
Assim, com uma cor violeta escura (roxiada), e um aroma terrivelmente vinioso onde notas florais a percorrem uma vasta gama de sentidos, fomos imediatamente seduzidos.
Muito activo no nariz, notas verdes e vegetais (um leve bouquet a arbustos e erva selvagem), e álcool em quantidade. Na boca manteve persistente e muito completo, cheio, com um corpo significativo (bem melhor do que o "Reserva", mas ainda longe do que melhor se faz nesta matéria) e um final médio/longo.
Sem ser uma “bomba touriga” - hoje cada vez mais em voga em diversas quintas da Beira, mas para os quais é preciso acompanhamento correcto -, mostrou-se um monocasta superior, dócil, demostração evidente que nem sempre o excesso de força é a melhor qualidade de um vinho. Bom ++.
A menos de € 20 nas garrafeiras de qualidade.

quinta-feira, Março 02, 2006

Conde de Vimioso Reserva (T) 2001

Quase todos os vinhos de João Portugal Ramos comungam de duas qualidades, a elegância e a boa harmonia entre o fruto e a madeira (embora na boca nos pareça que a madeira se mostre mais atrevida do que nariz). Uma “fórmula” repetida em pelo menos 3 zonas do país.
Este Conde de Vimioso Reserva é mais um desses vinhos. A nossa primeira prova remonta ao início do ano passado, na qual o vinho demostrou uma cor rubi brilhante e fruta vermelha "a rodos", sobretudo cassis e framboesas. Esta segunda prova revela-nos um vinho mais adulto, sem o brilho na cor que antes possuía, mas com mais madeira na boca, sem perder a finura que caracteriza os vinhos deste produtor, com um final bastante mais complexo.
Fácil de se beber, com um certo estilo internacional (faltando-lhe apenas a cor que se exige ao "novo mundo"), uma acidez bem desenhada (a região do Ribatejo permite-o) e um final guloso. Esta é, aliás, a melhor característica deste vinho... em pouco tempo os copos (e os corpos) esgotaram a garrafa.
A menos de € 15, uma aposta mais de que segura.

quarta-feira, Março 01, 2006

Notas breves

  • Quinta do Meruge (T) 1999: boa cor, alguma evolução, nariz potente a lembrar bombons de ginja, notas aromáticas típicas de vinho do Porto. Na boca confirma-se uma suavidade muito interessante, com destaque para fruta vermelha madura imposta pela Tinta Roriz. Bom.
  • Altas Quintas (T) 2004: utilizando o triangulo das castas de ouro do Alentejo - Trincadeira, Aragonês e Alicant Bouchet - este vinho é uma surpresa total. Produzido a uma altitude pouco vulgar para um alentejano, surge-nos de cor grenada muitíssimo escura, com o nariz a jorrar um perfume de fruta vermelha fresca... na boca, o mesmo se sentiu, muito fino, um longo final e notas de especiaria. Belo vinho, mas a pedir comida. Bom+.
  • Cova da Ursa (B) 2004: muito bom este chardonnay, belíssima cor dourada, notas tostadas da casta trabalhada pela madeira e um grande final. Em suma, um belo branco. Bom +.
  • Conde da Ervideira Reserva (B) 2003: bonita cor, madeira não em excesso, algumas notas citrinas e um final de mão de gato. Bom.