sexta-feira, Fevereiro 24, 2006

Gouts du Vin

Num after work, nada melhor do que um sítio calmo, bem decorado, onde o vinho (a copo) é rei, com pratos e pratinhos (dos patês aos queijos). Tudo num único local à imagem das enotecas francesas. Simpatia no atendimento, pela proprietária. Onde? No "Gouts du Vin" na Rua de São Bento, com sotaque à mistura. A não perder... a não ser de amores.

segunda-feira, Fevereiro 20, 2006

Grou no Ganhão


Éramos uma boa meia dúzia, mas chegámos desfasados ao restaurante O Ganhão. A primeira metade, onde me incluía, comeu mais entradas e bebeu um pouco mais – benefícios da pontualidade.
As entradas eram os mimos do costume, belíssimos – a alheira, o paio do lombo, as quatro variadas do azeite alentejo, os queijos e umas empadas à Simões. Depois uns tordos deliciosos, com o tempero de alho no ponto, a queimar os lábios. Finalmente garoupa com caldo de peixe – que magnífico final, simples e leve, uma óptima maneira de terminar os salgados.
Para acompanhar tamanha comezaina, vieram várias garrafas de um dos vinhos alentejanos mais badalados no momento: o Grou 2004. A intromissão do enólogo Anselmo Mendes em terras do norte do Alentejo – zona do Cabeção – levou à criação de um tinto espantoso e muito original.
Servido entre 14º e 15º graus, a temperatura recomendada para este néctar, foi preto no copo a lembrar a cor dos verdes tintos de antigamente (o tal "sangue de boi"), até jurámos ver alguma efervescência... No nariz um impacto brutal a fruta, encobrindo por completo a madeira, fruta fresca, erva acabada de colher, orvalho da manhã, tudo muito bom. Na boca, quase pastoso, muito cheio, corpo imponente. O final, talvez pela temperatura do vinho, não acompanhou os galardões iniciais, e mostrou-se apenas correcto.
Um grande vinho do Alentejo, a beber nos próximos 4/5 anos, muito diferente do que habitualmente se faz. Diríamos que o calor da planície foi substituído pela força da montanha, sempre no Alentejo.

terça-feira, Fevereiro 14, 2006

Notas breves: Espanha tinto e Ribatejo branco

  • Vilosell (T) 2003, Costers del Segre (Espanha): muito bem na cor, ainda que sem que uma concentração esmagadora. Na boca tudo muito bem desenhado, não se procura o impacto bruto a fruta, nem um esmago a madeira. Antes uma combinação perfeita, harmoniosa, e delicada. A menos de € 10 (por importação).
  • Quinta da Alorna Chardonnay Reserva (B) 2004: A casta está bem vincada, e (felizmente) não se encontra com um peso excessivo. Vinho com frescura considerável – não se caiu no erro de um estágio excessivo. Bonita textura, brilhante. Melhorou muito este Quinta de Alorna, comparado com colheitas anteriores.

sexta-feira, Fevereiro 10, 2006

Passeio pelo Dão: de Santar a Cabriz




Um passeio que fiz faz pouco tempo, foi em plena zona do “Dão Vinícola”. O objectivo era esse mesmo, conhecer um pouco mais a agreste paisagem daquele território que vê nascer alguns dos melhores vinhos portugueses, e cuja tradição fala por si.
Começámos em Santar, vila primorosa de casas antigas e casarões em restauro, e logo fomos recebidos na famosa Casa de Santar. Ora, apesar da menina que serviu de guia não ter primado pela simpatia, tratou-se de uma visita muito interessante. A casa - magnífica! - tem diversos pontos de interesse, a começar numa pequena capela com curiosidades escondidas pelo passar do tempo, passando por uma descomunal cozinha onde água é retirada de uma fonte interior, terminando a visita num pequeno, mas muito original, museu de coches e uniformes antigos.
Já no exterior, ficam os jardins: em réplica miniatura dos jardins de Versailles, são estes que nos conduzem à moderna adega com as vinhas - sempre protegidas pela maravilhosa Serra da Estrela - em pano de fundo. Na adega, uma breve paragem para explicações mais ou menos exactas, e o regresso à estrada foi imperativo.
Não se espante o leitor se lhe contar que após a visita à Casa de Santar, ficámos com fome! Naturalmente. Onde comer então? Pois bem, no restaurante da Quinta do Cabriz! Este, inserido nas instalações da sociedade "Dão Sul", fica na verdade em Carregado do Sal, a alguns quilómetros de distância da Quinta que produz uma parte dos vinhos da casa.
Como a vontade de comer era muita, e de provar os vinhos também, optámos por menu de degustação bem representativo da gastronomia regional. Assim, a um óptimo preço, foram-nos servidos quatro pratos, cada um com a sua garrafa (não é um erro, era mesmo uma garrafa para cada prato).
Espumante (bom, com bolha elegante e muito fresco) para a entrada, Branco "Encruzado" (muito bom, como vem sendo habitual) para o primeiro prato, dois tintos para os pratos de carne (o Jaen e o "Touriga Nacional"), um licoroso para as sobremesas (deliciosa a tigelada) e uma água-ardente com o café. Tudo da Quinta do Cabriz.
Depois de tamanho repasto a visita seguinte foi adiada e não hesitámos numa pequena sesta. Inevitavelmente. Um passeio, e um almoço, inesquecíveis.

terça-feira, Fevereiro 07, 2006

Quinta da Bacalhôa (T) 2002


Depois de uma manhã e tarde passadas entre livros de economia política (sempre com o encanto para os assuntos sobre o Tratado de Methuen, por razões obviamente relacionadas com o vinho) um jantar com os sabores dos eternos rivais de Inglaterra vinha mesmo a calhar. Foi assim que me vi num jantar onde magret de pato com laranja era o prato forte da ementa (mais francês do que isso só a sopa de cebola).
Após algumas voltas entre garrafas mais poeirentas, levei comigo um Quinta da Bacalhôa 2002 para ombrear com tamanho francesismo. De cor rubi pouco brilhante, mostrou um corpo médio/fraco a que já nos acostumamos quando em Portugal a cabernet é cruzada com merlot. Mas no nariz esteve bem, com notas a especiarias e madeira de qualidade, e na boca manteve-se seguro – longe de deslumbrar – com nuances frescas a menta e fruta verde acabada de colher (à qual faltou apenas a geleia doce típica do merlot, talvez pela pequena quantidade do lote utilizado).
A um preço um pouco elevado (entre € 10 a € 13), trata-se de um produto seguro em que se pode confiar, um vinho com uma elegância considerável, embora de colheita para colheita a fruta utilizada parece vir a desmerecer de qualidade.

segunda-feira, Fevereiro 06, 2006

Couteiro-Mor Antão Vaz (B) 2003


Os vinhos brancos deste Inverno estão a revelar-se superiormente bons. Depois das óptimas referências anteriores (ver post de 24 de Janeiro de 2006), provámos outra surpresa muito, muito boa.
Foi a vez do Antão Vaz de 2003 dos produtores Couteiro-Mor. Esta casa, situada em Montemor, tem vindo a fazer grandes vinhos, brancos e, sobretudo, tintos (com o "Vale do Ancho 2003" em destaque).
Este Couteiro-Mor tem ainda duas grandes vantagens, a saber: i) a capacidade para ser guardado em garrafeira até 3/4 anos depois de engarrafado; e ii) um preço quase imbatível (abaixo dos € 7 quando o comprei, faz já algum tempo).
Mas foi logo na cor, apesar dos elogios que se vão seguir, que o vinho menos brilhou – mostrou uma cor algo pálida, com transparências evidentes. Na boca, ao invés, mostrou-se altivo, com boa reprodução da casta alentejana, com os elementos minerais a sobressair atribuindo ao néctar uma frescura irrepreensível. Bom corpo e final persistente.
Após anos e anos de vinhos brancos de pouca categoria (sobretudo no Alentejo), podemos começar a concluir que existe hoje já uma “mão-cheia” de produtores a trabalharem muito bem as castas brancas um pouco por todo o país. Sobretudo as nacionais (Alvarinho, Encruzado, Arinto e Antão Vaz), mas também algumas estrangeiras (Sauvignon Blanc e Chardonnay).

domingo, Fevereiro 05, 2006

Novo blog: a "vinho-blogmania"

É com um enorme prazer que descobri recentemente um novo blog sobre “esta mania de andar a provar vinhos”. Cinco amigos juntaram-se e, no início deste ano, criaram o blog “Vinho a Copo”. Ao Ricardo, Rui, Nuno, Cristo e Duarte, votos de boas vindas.
Já agora, o título de blog coloca uma questão tão interessante como actual: a recente tendência para tomar vinho a copo, através da qual se consegue provar vinhos diferentes sem ter de abrir várias garrafas.
À V. Saúde.