terça-feira, Janeiro 31, 2006

Notas breves: Alentejo Branco e Tinto

  • Pontual (T) 2002: mais uma proposta interessante do Alentejo, com um preço simpático. Uva de qualidade, breve estágio em madeira nova. Tudo muito redondo, taninos suaves. Bom. Um pouco abaixo dos € 10.
  • Tapada de Coelheiros Chardonnay (B) 2004: muito fino e elegante este branco de referência. Muito bem na cor que se mostra límpida, boa concentração para um vinho tão seco, impressiona o sabor a casta (é melhor não servir muito frio, nunca abaixo dos 10º), mas não é cansativo como outros chardonnay que se bebe por aí. Manteiga baunilhada equilibrada com algum álcool num final de boca médio/longo. Bom +. Um pouco acima dos € 10.

terça-feira, Janeiro 24, 2006

Régia Colheita Reserva (B) 2003


Um robalo do mar para coisa de 900g ... era o convite. Assado.
O vinho: um Régia Colheita Reserva de 2003 guardado com carinho. De cor palha com tendência âmbar, mostrou-se um vinho muito concentrado sobretudo tendo em conta tratar-se de um branco. Existem vinhos brancos assim, sobretudo no Alentejo... vinhos pesados, com lágrima, alcoólicos, quentes até.
Pouca fruta, muita madeira – regra seguida à letra. Muito bem na cor (não poderia ser de outro modo) já dissémos, nariz algo fechado (apagado?).
Na boca, um mundo de sabores balsâmicos, algum mel, noz e casca de ovo. Um grande final para um portentoso vinho branco alentejano que vale bem beber no Inverno.
Pena a alegada falta de persistência na qualidade, pois consta que o 2004 está menos bom.

sexta-feira, Janeiro 20, 2006

Quinta do Portal Reserva (T) 2000


Acompanhava um lombo de porco mas não pensámos num vinho alentejano (como já faz hábito quando degustamos um cochino...). Ao invés, lembrámos-nos de um douro que não fosse muito concentrado. Elegemos assim, num consenso difícil diga-se, o Quinta do Portal Reserva 2000.
E acertámos, pois ao contrário do que o qualificativo “Reserva” sugeria, estávamos perante um vinho linear a merecer ser consumido antes de 5 anos da sua comercialização (ou seja, está na altura!).
Ora, na cor começou por agradar, vermelhão escuro e violeta, sendo que a falta de concentração começava a ser evidente. O nariz indiciou o resto, pouca fruta madura, alguma madeira de qualidade... pouco mais. Escasso para o que se esperava, mas um conjunto agradável em todo o caso.
Na boca mostrou-se fácil e agradável, taninos suaves e de finura recomendável. Tudo no sítio, tudo complacente. Final pouco vigoroso como se antecipava.
Recomenda-se que o consumidor que queira provar um vinho furos acima produzido pela Quinta do Portal , opte por um “Grande Reserva” (ao estilo espanhol) ou um “Auru”. É preciso é abrir os cordões à bolsa. O aviso está feito.

segunda-feira, Janeiro 16, 2006

Quinta de São Francisco (T) 2001

Da denominação produtora de Óbidos, em plena região da Estremadura, chega-nos este vinho feito com base na casta castelão.
De cor rubi brilhante, muito suave na boca, e com idêntica leveza aromática no nariz. Taninos salientes e robustos, fruta de qualidade mas pouco madura.
Falta-lhe apenas um pouco de concentração (devido ao muito que chove na região do Oeste) e um final mais longo e largo para ser um vinho de belo porte.
Ainda assim, muito bem feito este néctar, tudo equilibrado, podendo deixá-lo dormir mais 2-3 anos em cave.
A menos de € 8, e com um elogio ao grafismo do rótulo, de estilo clássico (fora de moda até), com destaque para a referência do trofeu "prestige" obtido no Concurses Citadelles du Vin.

domingo, Janeiro 08, 2006

Prazo de Roriz (T) 2002


No nariz como na boca tratou-se de um Douro ainda fechado e muito mineral (consta mesmo que na propriedade existiram minas de ouro e estanho até ao fim da Segunda Guerra Mundial). Esteve presente a madeira, ainda que sujeita a pouca harmonia, e alguma fruta vermelha longe de ser madura a lembrar-nos o ano da colheita (com muita chuva).
Este “Prazo de Roriz” é a segunda marca da conhecida Quinta de Roriz, na família van Zeller desde 1815, e especializada nos vinhos do Porto. Num ano difícil como foi o de 2002, e tirando a madeira menos bem "casada", este vinho de mesa não deixou "créditos por mãos alheias", mostrando um recorte fino e elegante. O que pelo seu preço, não é nada mau.
A menos de € 8 no Corte Inglês (supermercado).

terça-feira, Janeiro 03, 2006

Martinet Cru (T) 2001


Da região mais badalada da Europa, bebemos este Martinet Cru 2001. Não estivéssemos nós em Espanha e não tivemos outro remédio que não o de provar este belo Priorat (e que remédio...). Trata-se da segunda marca do produtor “Mas Martinet” e tem um preço interessante, pois é sabido que os vinhos desta região de Espanha têm sofrido uma inflação estonteante. Para ilustrar com um exemplo, a primeira marca “Clos Martinet” custa praticamente € 50.
Quanto ao vinho propriamente dito, feito com castas francesas (Cabernet Sauvignon, Merlot, e um pouco de Syrah) e um terço da variante local Garnatxa, apresentou-se muito escuro (quase, quase opaco), compacto, com lágrima espessa e de “queda” lenta (como tanto gostamos!). Não admirou assim os seus 14,5º de álcool.
O nariz foi dominado por ameixa preta, uvas passas, enfim muita fruta madura de qualidade, alguma madeira (apostamos em barricas de carvalho francês) e um grande volume de álcool.
Na boca, novamente a referência a fruta muito madura, agora alguma cereja - um vinho anti-vegetal -, com taninos que indicam alguma longevidade e um final longo com notas de chocolate amargo.
Entre € 15 e € 20.

segunda-feira, Janeiro 02, 2006

Reserva Ferrerinha (T) 1994

Depois do almoço, e dos vinhos já referidos (ver posts anteriores),
a "coisa" complicou no jantar de Natal. De facto, abrimos duas garrafas de Reserva Especial Ferreirinha 1994. Abrimos a custo devo dizer, pois ambas as rolhas estavam surpreendentemente em más condições, a querer mesmo quebrar em plena metade.
Mas o breve desalento no "sacar a rolha" passou imediatamente... mal abrimos o néctar, um portento de sabores a fruta vermelha saiu da garrafa (o que não deixou de ser curioso, tratando-se de um douro com mais de 10 anos, ainda por cima um Ferreirinha!).
Contudo, após a decantação, não foi necessário esperar muito mais para sentir o típico bouquet doce e algo químico deste fantástico vinho.
No olhar, rubi escuro e intenso no copo. Fino na boca, muito corpo e todo ele elegante, com fruta madura imediatamente acessível, e madeira perfeitamente alinhada. Forte concentração e um final longo.
Não era um Barca Velha, pois apesar de “novo” estava já com uma maturação muito aceitável. Mas era muito bom.