segunda-feira, Novembro 28, 2005

Quinta do Além Tanha (T) 2001


Uma bela feijoada e um “Quinta do Além Tanha” (T) 2001 = combinação perfeita.
A feijoada, repleta de carnes e enchidos, com o feijão muito bem cozido mas não esmagado (tendo acompanhado ainda com um pouco de arroz branco, como se faz em Braga).
O vinho, um espanto. Trata-se de um lançamento de mais um belo vinho duriense, desta feita pelo produtor Nuno Matos numa quinta localizada na região do Cima Corgo.
A partir de uvas velhas, de várias castas como manda a tradição do Douro (eg., Tinta Amarela, T. Roriz, T. Barroca, T. Franca, entre outras) o vinho apresentou-se muito forte no nariz, com grande vigor, como que a querer provar ser ainda muito novo.
No copo, com uma cor vermelha garrida escurecida, foram os frutos vermelhos muito maduros que sobressairam num primeiro momento, impondo-se totalmente à madeira (que não se nota mesmo). Depois, já no final persistente, surgem notas minerais e até florais (notas verdes), atribuindo ao vinho um caracter não excessivamente pesado.
Com 14.º, muitos anos pela frente, e a menos € 15 (o preço estou certo que vai subir) estamos perante um achado. Não digam que eu não avisei.

terça-feira, Novembro 22, 2005

Calços do Tanha (T) 2000 no Meson Andaluz

Uma curiosidade minha: não passo muito tempo sem regressar ao melhor refúgio da comida espanhola que conheço, a casa do sr. Almeida. Refiro-me ao "Meson Andaluz", outrora um pequeno restaurante na Parede, desde da segunda metade da década de 90 localizado no CascaisShopping. É bom saber que apesar de inserido num centro comercial, o Meson tem porta privativa para o parque de estacionamento e está totalmente reservado do resto dos lojistas.
Ora, para além da dezena e meia de tapas de qualidade (realce para a empada de perdiz com cogumelos bravos), e de vários pratos de confecção imaculada (rabo de touro em destaque), é o cochinillo de pata preta que mais brilha, trazido directamente da quinta que o proprietário do restaurante possui em Estremoz. Trata-se de leitão verdadeiro, como o nosso bairradio (e não porco!), mas mais tostado e não vem servido afogado em molho de pimenta nem com típicos acompanhamentos de péssima qualidade. Os entendidos dizem que melhor só em Ávila (mata-se com 17 dias) ou em Segóvia (mata-se com 21 dias).
Com tantos e bons motivos, passei por lá num recente Sábado chuvoso e, mirando a longa lista dos vinhos (que inclui muitos e bons espanhóis) escolhi um Calços do Tanha (T) 2000. Já provado por outras ocasiões, esta serviu-nos para confirmar a nossa positiva impressão inicial de mais um vinho do produtor douriense Manuel Pinto Hespanhol.
Vinho escuro no copo a mostrar um lilás amadurecido muito bonito (por contraste com o branco das toalhas de mesa), aroma com alguma evolução e prova na boca complexa. Algo viscoso no mover do copo, interessante, com muita fruta madura e pouca madeira, a mostrar um estilo que já não se faz muito... Com mais 3-5 anos pela frente, prova que um vinho não precisa da proeminência da madeira para evoluir muito bem. Um belo douro.
Por menos de € 20 no restaurante do sr. Almeida.

sexta-feira, Novembro 11, 2005

Cortes de Cima Touriga Nacional (T) 2002


Eu e o Ricardo, para a nossa sorte, vínhamos da prova vertical dos vinhos reserva do produtor alentejano Francisco Nunes Garcia. A Cláudia e o Bruno vinham, para o respectivo azar, directamente do trabalho. Encontrámo-nos todos no restaurante “Alqueva”, refúgio alentejano de muita qualidade junto ao antigo edifício Lido a caminho de Queluz.
Vieram as peças de farinheira, os paios, o pão em saco de lona, os queijos, mas a fome não saiu. Carregámos então na carne de alguidar acompanhada ora de migas tradicionais, ora de migas de espargos.
No vinho a escolha estava limitada à região do Alentejo e preferimos uma estreia. O Cortes de Cima Touriga Nacional 2002. É preciso começar por dizer que sou um grande apreciador dos maravilhosos resultados da plantação da Touriga no Alentejo. Os vinhos saem complexos com toques florais e a fruto. Uma maravilha.
Ora, a mais recente experiência de Hans Kristian Jorgensen, saiu também ela fantástica. Após 9 meses em barricas de Carvalho francês o vinho estava jovem com uma cor vermelha muito escura. O aroma dominado por sugestões florais e alguma madeira, mas na boca muita fruta doce e um grande final.
Se os primeiros vinhos Corte de Cima primavam por um estilo exclusivamente de “Novo Mundo”, este Touriga vem mudar um pouco o estilo e, quem sabe, conquistar novos adeptos (é o meu caso). Não admira os 91 pontos da Wine Spectator.

segunda-feira, Novembro 07, 2005

Encontros com o vinho... escolhas

Foi o melhor evento relacionado com vinhos em Portugal que tenho memória. Mais de 200 produtores de vinhos (mas também em menor escala de queijos, presuntos, enchidos e azeites) todos no Centro de Congressos de Lisboa (antiga FIL). Foi assim ontem, Domingo dia 6 (e já havia sido de modo igual, mas com mais gente contaram-me, no Sábado dia 5).
Tratou-se do “Encontros com o vinho e sabores 2005”, feira festiva onde a concorrência dá lugar a uma saudável promoção e apresentação ao público (o dia 7 é reservado aos profissionais do sector) das últimas novidades vinícolas... o que significa, de modo redutor, os (fantásticos) vintages 2003, os reservas tinto de 2003 e 2002, e os brancos nacionais de 2003 e 2004 e ainda alguns brancos estrangeiros já de 2005 (só possível no “novo Mundo”!).
A convite da simpática “Adega Algarvia” não perdemos este certame e brigámos na prova de várias dezenas de vinhos. Encontrámos amigos e conhecidos em quase todos os balcões, mesmo nos distribuidores, o André no balcão da Vinalda que o diga. Vários foram também os escanções de restaurantes famosos a quem falámos (o Bruno do "Vírgula", a Ana do "Valle Flor").

Com um copo a tira-colo (literalmente) lá fomos nós a caminho das nossas escolhas nacionais... um delírio meus caros, um delírio.
Muito Bom:
Vintage Quinta do Crasto 2003 (preto na cor, doce, notas brutais a fruto)
Vintage Quinta do Portal 2003 (também preto, mais do doce que o anterior)
Quinta Vale Meão (T) 2003, Douro (quase preto, muito directo e preciso, uma bomba)
Quinta da Leda (T), 2003, Douro (complexo, interessantíssimo, para guardar muitos anos)
Evel Grande Escolha (T) 2003, Douro em sample (novo estilo? não era preciso! continua muito bom)
Bom +:
Quinta dos Roques Touriga Nacional (T) 2003, Dão (boa concentração, o melhor da touriga)
Luís Pato Vinha Pan (T) 2003, Bairrada (sempre fantástico, diferente, vegetal)
FSF Homenagem JMF (T) 2001, Palmela (bela cor, complexo, muita fruta)
Quinta do Portal Grande Reserva (T) 2001, Douro (grande vinho, pronto a beber)
Quinta do Mosteirô Grande Escolha (T) 2003, Douro (bela novidade, vegetal, muito curioso)
Bom:
Quinta do Carmo Reserva (T) 2003, Alentejo (bom na boca, mas no nariz teima em desagradar)
Esporão Alicant Bouchet (T) 2003, Alentejo (aromas a terra, algum mofo e pimentos)
Quinta dos 4 Ventos Reserva (T) 2002 (tem tudo para ser um vinho exemplar, mas é demasiado previsível... repetitivo até)

quinta-feira, Novembro 03, 2005

Feira do Vinho "Makro" - destaques

  • Quinta do Castro Reserva Vinhas Velhas (T) 2002, Douro – a menos de € 19
  • Quinta das Tecedeiras Reserva (T) 2002, Douro – a menos de € 19
  • Dolium Reserva (T) 2001, Alentejo – a menos de € 13
  • Casa de Santar Touriga Nacional (T) 2000, Dão – a menos de € 13
  • Quinta da Bacalhoa (T) 2001, Terras do Sado – a menos de € 11