terça-feira, Setembro 27, 2005

Vindimas no Douro: um fim de semana


Era um fim de semana que tinha tudo para correr bem. E tudo correu maravilhosamente bem. No Douro.
Sábado, a horas impróprias (umas inimagináveis 7.00h da manhã!), arrastamo-nos para a belíssima estação de São Bento. Tenho há muito tempo um gosto especial por estações de comboio, e São Bento é uma das (pequenas) estações que tanto gosto.
O destino: o Douro, mais propriamente a Quinta Nova de Nossa Senhora do Carmo. A viagem, que durou cerca de 2 horas até ao apiadeiro de Ferrão, foi feita grande parte à beira rio... E o olhar, sobretudo em época de vindima, perde-se na busca daqueles pequenos traços longínquos, consumidos nos socalcos, que afinal são pessoas.
Pouco depois saímos do comboio num pequeno pulo, já no Cima Corgo, próximo do Pinhão, e encontrámos a "Quinta Nova" com uma exposição solar magnífica e 1,5 km de extensão ao longo da margem do rio Douro. À nossa espera, mais de 120 hectares de vinha (a maioria vinha nova), o primeiro hotel rural vinícola, e a simpatia dos gerentes.
Um pequeno passeio pela quinta (durante muitos anos ligada à família Burmester), uma visita à vindima, um pic-nic reforçado e uma sesta. Só o sossego daquele vale, vale tudo.
Antes, ainda uma visita à adega em pleno labor.
No jantar, em sala aprumada como de resto toda a quinta, provou-se um Porto branco de aperitivo (bom), acompanhou-se a refeição com o Casa Burmester Reserva (T) 2002 (também bom, mas pensávamos que fosse melhor) e terminou-se com uma prova de vários Portos tintos feitos na quinta. De todos os que bebemos, dormimos com saudade do LBV 2000.
Já no Domingo, após o pequeno almoço, foi hora de mais comboio até ao Pinhão e depois um magnífico cruzeiro até Gaia. Um fim de semana em cheio, e aqui tão perto.

sexta-feira, Setembro 16, 2005

Quinta de Macedos (T) 2001

Afinal de contas preparava-me para fazer um favor a um amigo meu... estava a caminho da casa do Bruno Santiago para lhe transmitir os meus comentários sobre o seu escrito. Durante o caminho ainda pensei em desistir, pois uma ligeira febre passou por mim, ainda antes da Rua Castilho. Telefonei ao Bruno, mas resisti.
Ainda bem que resisti: por mim esperavam uma casa simpática (isso já eu sabia), um amigo nervoso (calculava, pois também já estive em situações de "dar-me a ler" aos outros), e duas preciosas perdizes... com “essa” não esperava eu! Que surpresa!, um casal de galináceos reais, corpulentos na sua pequenez natural, jaziam num molho eficazmente discreto.
Nos vinhos, estávamos reduzidos a um par de escolhas. Retirámos do aplique um Quinta de Macedos 2001. Momento maior da noite!
Com uma presença enorme, notas de frutos pretos muitíssimo maduros, taninos macios mas potentes (ah, como desejámos uns copos adequados...)
No aroma, mostrou-se do melhor que o Douro tem, com bastante madeira nova (20 meses) a casar todo o conjunto; e na boca muito complexo (imagine-se uma mistura de 16 castas tradicionais do Douro, com predominância de Touriga Franca!). Tudo com muito álcool à mistura que proporcionou o equilíbrio necessário a tanta robustez.
Os enólogos e produtores Paul e Raymond Reynolds provam uma vez mais que têm um excelente vinho de garagem (3 mil garrafas). O preço...

quinta-feira, Setembro 15, 2005

Quinta de Pancas Touriga Nacional Sp. Selection (T) 2001


Agora, já na Estremadura, outro Special Selection (ver post infra). Depois das entradas vieram um rosbife com nome de general e um tronco de perú “meio assado”. Tudo muito bom e a pedir mais bebida.
Chegou então o prometido Touriga de Alenquer cuja garrafa se abriu (finalmente!) para nosso rejubilo. Com uma forte componente floral à casta, atacou bem a boca desde o início dando provas que desejava ser bebido...
Grande presença, muito corpo, pouca fluidez (para nosso contentamento), escuro (mas não preto). Esteve, no geral, muito bem este touriga – mais elegante que alguns alentejanos recentes, mas menos “fino” e vegetal que outros dourienses.
Um bela escolha a mais de € 20 a garrafa.

segunda-feira, Setembro 12, 2005

Galeria Cabernet Sauvignon Special Selection (T) 1997


O convite do meu grande amigo Almeida Fernandes era irrecusável, sobretudo após a minha insistente auto-convocação.
Chegado a sua casa, começou-se pelas tâmaras com bacon, mais um queijo d’ Ilha e um de azeitão (que reinou altivo).
Nos beberes a festa continuou com um muito interessante cabernet sauvignon da "Galeria" (Grupo Caves Aliança) da colheita de 1997. No copo, a cor notava já alguma evolução mas sem perder nitidez, enquanto no nariz um puro cabernet nos seduzia rapidamente com fragância a especiarias (pimenta preta, açafrão), algum pimento verde e muita madeira (a prometida “oak aged” anunciada, de modo um pouco caricato, no rótulo). Na boca, continuou um cabernet definido; a fruta, todavia, não conseguiu sobressair na sua máxima intensidade. Bom final, e alguma graciosidade (quase elegância...) típica de vinhos com alguns anos de garrafa.
Uma nota final no sentido de referir que as Caves Aliança substituíram entretanto a designação “special selection” pela portuguesa “Reserva”, o que se aplaude.
Para quem gosta, ou quer experimentar, um puro cabernet (mas não exige a elegância, nem o preço, de um Bordéus) é um vinho a não esquecer. Pelas colheitas recentes, a marca pede cerca de 20 € por garrafa.

Prova de Reservas Francisco Nunes Garcia


No próximo dia 13 de Outubro, pelas 17h será realizada uma prova vertical dos vinhos reserva do produtor alentejano Francisco Nunes Garcia (incluindo, segundo promessa, o fantástico “Reserva Homenagem António Maria”). A prova irá realizar-se no restaurante O Ganhão, próximo das Portas de Benfica, um portento refúgio da gastronomia alentejana (as saudades que tenho da perdiz na panela...). Mais uma grande iniciativa do sempre afável António Simões. Para inscrições fica o email: ganhao@hotmail.com

domingo, Setembro 11, 2005

Ruffino Chianti (T) 2003


No dia a dia, utilizo uma regra simples: para uma comida pouco “condimentada” escolho um vinho simples, novo, que seja agradável do princípio ao fim e sem surpresas. Foi o que sucedeu com o chianti da “Ruffino” – marca de grande expressão comercial em Itália – que acompanhou entremeada.
Bonita cor rubi pálida, sem excessos de concentração, aroma vivo com notas subtis a frutos vermelhos. Muito agradável.
A regra confirmou-se.

sexta-feira, Setembro 09, 2005

Jantar com João Portugal Ramos

A todos sortudos, como nós, que no dia 30 deste mês estarão sentados à “mesa com” os mais recentes vinhos do João Portugal Ramos(colheita 2003), cabe lembrar que já se sabe mais qualquer coisa sobre alguns dos vinhos tintos que serão degustados lá para o final do mês... e que vinhos !!! A saber:

  • “Conde do Vimioso Reserva 2003” (as anteriores colheitas fizeram sempre parte de todas as short-lists dos melhores vinhos do ano);
  • “Quinta Viçosa Touriga Nacional/Merlot 2003” – diz quem já provou que é simplesmente fantástico... talvez o melhor JPR...
  • “Quinta Foz de Arouce Vinhas Santa Maria 2003” – um vinho clássico e lendário que JPR tem ressuscitado... lembro-me do meu amigo Francisco Mendes Correia me oferecer um de 89 e já era uma “bomba”... como será o de 2003 ?

O jantar terá lugar no restaurante "A Commenda" no Centro Cultural de Belém e é mais uma grande iniciativa da garrafeira "Coisas do Arco do Vinho".