segunda-feira, Agosto 29, 2005

5 brancos à prova do Verão

Não conseguimos evitar e lá fomos país abaixo a caminho do sotavento algarvio. Na bagageira levámos um périplo de cinco vinhos brancos (dois verdes). Uma certeza: gastámos menos de € 25 no total dos 5 vinhos.

QUINTA DE SAIRRÃO RESERVA (B) 2004
Parámos o barco e superámos o lodo. Após uma ida a casa visitou-se a localidade de Santa Luzia bem perto de Tavira. A razão deste nosso regresso a Santa Luzia – já lá deixáramos o barco – prendia-se com a visita ao “Capelo”, restaurante de especialidade marisqueira. Vieram as amêijoas e as postas de um pargo grelhado, a acompanhar bastou uma bela salada de alface e tomate.
Para beber provámos o douriense “Quinta do Sairrão”. Foi o nosso primeiro contacto com esta quinta e gostámos muito da frescura imediata deste branco, do seu maracujá evidente; mas também das notas doces que se manifestavam (seria banana?) escondidas num final longo. Com uma boa presença e sem agulha, sobresaiu a cor quase amarela, bonita desde o primeiro olhar. Bom +.

MARQUES DE RISCAL SAUVIGNON (B) 2004
A recompensa de ir à praça de manhã seria uns belos salmonetes para jantar. Cozeram-se umas batatas e preparou-se uma salada. Os ditos – peixe maravilha quase marisco – foram colocados na grelha, trocou-se a sua posição, e o manjar estava pronto.
Também preparámos o Marques de Riscal Sauvignon, bem fresco como apetece no Verão. Apesar da “bodega principal” desta marca espanhola estar situada na zona de Rioja (com uma arquitectura duvidosa, diga-se) este vinho é feito a partir de uvas de Rueda, zona próxima de Valladolid – território de vinhos brancos interessantes como os “Palácio del Bornos” (sobretudo o verdello, mas também o sauvignon).
Quanto a este Riscal mostrou-se límpido desde logo, de sabor carregado à casta e um toque a “mão de gato” que criou uma leve sensação de desprazer perto do final. É um sauvignon curioso mas pesado, que no entanto terá sem dúvida os seus apreciadores (aqueles que preferem sabor intenso a harmonia). Bom.

SOLAR DAS BOUÇAS (B) 2004
Ao terceiro dia veio a feliz contradição: camarões grandes (tamanho 1) e carapaus pequenos. Os primeiros grelharam-se, os segundos levaram fritura valente. O calor apertava (e eu que o diga ao comando da grelha) e apetecia um vinho verde... e porque não um Solar das Bouças 2004? Todo feito a partir da casta Loureiro, começou por demostrar estrutura interessante alicerçada numa “agulha” muito agradável. Conjunto muito afinado, algum ananás e um forte sabor citrino, muita leveza. Um conjunto que apela a um dia quente e a marisco. Bom +.

BUCELAS (B) 2003
Na lota seguimos pelo arroz de marisco, mas para acompanhar escolhemos o “Bucelas 2003” das Caves Velhas. A escolha no entanto começou por desapontar na cor, algo deslavada (quase aguada). Infelizmente na boca o vinho confirmou as expectativas e revelou-se um arinto furos abaixo do habitual da marca, sem a nobreza da casta. Pouco sabor a fruta, algum maracujá ligeiro (camuflado) e pouco mais. No nariz esteve regular. Suficiente.

QUINTA DO AZEVEDO (B) 2003
E no final, veio o vencedor. A acompanhar uns audaciosos bocados de espadarte do Algarve – sempre óptimo na grelha – abrimos um dos melhores brancos da Sogrape. Vinho verde, de grande porte, muita agulha mas não em exagero, esteve muito bem. Sabor intenso, ora tropical ora citrino. Cor amarela clara, de nariz subtil e sublime. Muito bom. O melhor do lote... no último dia. Bom ++.

quarta-feira, Agosto 17, 2005

Quinta dos Carvalhais Encruzado (B) 2003


Não deu tempo para refrear os ânimos dos Portos provados (ver post infra) e outra experiência magnânima passou-nos pelo estreito. Começámos por pedir uma perdiz de escabeche, mas fomos a tempo de alterar por um anunciado “foie-gras”. Mas, no campo da comida, foi sorte nula, pois o “foie-gras” não passava de patê rasca com uma cobertura agridoce. Para emendar a mão, veio a massa com requeijão – um clássico dessa casa ao cimo da Praça da Alegria.
Mas foi a beber que as lágrimas correram pela face... A sugestão era um “Quinta dos Carvalhais Encruzado 2003”, e tudo virou sublime de súbito ... o próprio patê, antes uma mixórdia, parecia agora um pitéu digno dos deuses.
É preciso dizer que estava uma noite abafada, e – estranhamente – não me apetecia a fruta tropical de um Alvarinho. Ao invés, o calor da noite chamava um líquido mineral e com muita personalidade. E foi o que encontrámos com o Encruzado, casta branca predilecta do Dão. Outros “Encruzados” havíamos já provado e saudado – o da “Quinta do Cabriz 2002”, por exemplo – mas este da “Quinta dos Carvalhais” bateu a concorrência. Gritámos tratar-se de um dos melhores brancos de 2003! E ninguém protestou.
Grande cor, grande corpo, alma limpa e alguma fruta citrina, um final prolongado e insistente, muito mineral e um toque a madeira que conferiu um equilíbrio perfeito e uma elegância pungente como poucos brancos têm.
A € 15 nas garrafeiras, está entre os melhores brancos portugueses de 2003 (e de 2004) que até hoje provei.

sexta-feira, Agosto 12, 2005

Portos: Vintage 87 e LBV 2000


Em menos de uma semana e tivemos duas subidas ao céu: a primeira, com o excelente vintage 87 da Real Companhia Velha. Alguns dias depois, com o explosivo LBV 2000 da casa Burmester.
O ano de 1987 foi um ano muito bom no Douro, mas foram outras as vindimas dos anos oitenta que tiveram o máximo protagonismo da década, refiro-me aos inesquecíveis vintages de 83 e 85. Ainda que nem todas as marcas tenham declarado vintage em 1987 – ao que parece existia pouco vinho – a verdade é que algumas marcas de referência não hesitaram em declará-lo. Foi o que aconteceu com a Niepoort, Ferreira, Martinez, Offley e claro, com a Real Companhia Velha.
E o que dizer deste Porto? uma fruta elegantíssima, um equilíbrio total nos taninos, e desde logo uma maturidade que nos ofereceu a certeza de tratar-se um vintage para durar pouco mais que vinte anos. Bebemo-lo na altura certa, podemos concluir.
Quanto ao ano de 2000, é por todos sabido ter sido um ano exemplar... e o LBV da Burmester não desapontou: esteve pujante, com muita compota, fruta madura intensa e com alguma baunilha que a madeira lhe conferiu.
Duas propostas fantásticas, mas bem diferentes, tal como o preço, aliás...

quarta-feira, Agosto 10, 2005

terça-feira, Agosto 09, 2005

Muros Antigos Espumante Bruto (B) 2002

Foi na sequência de um belo dia na Praia das Maçãs (belo dia pois a neblina só se fez à Ribeira de Colares pelas seis da tarde) que encontramos uma vez mais o restaurante “Mar do Inferno”, bem junto a Cascais. Se não fosse a simpatia da D. Lurdes e não havia mesa, dada a afluência de fim de semana, mesmo em férias.
Para entrada, aconteceu um acepipe da mais alta qualidade, bruxas de Cascais... frescas, fresquissímas estas miniaturas de molusco... depois já a famosa travessa do mar com dourada e robalo (do mar) grelhadas e uns robustos camarões a acompanhar.
E a beber escolhemos um espumante, uma aposta certeira. "Muros Antigos" em balde e flutes apropriados. Com 30% de Alvarinho e o restante de Alvarelhão tinta, apresentou-se com uma curiosa cor rosada (certamente do Alvarelhão) e na boca uma explosão refrescante de fruta vermelha (mas não madura), tropical e algum pêssego. Um espumante bruto de método clássico, lindíssimo, e mais refrescante e vivo que os rivais da Bairrada.
Uma fantástica opção para quem não quer apenas mais um vinho branco...

quarta-feira, Agosto 03, 2005

Encostas de Estremoz Touriga 2003 (T) - II acto

Regressámos a um vinho cuja apreciação já aqui deixámos testemunho (21 de Junho de 2005). Refiro-me ao monocasta Touriga Nacional Encostas de Estremoz (Vinhos D. Joana). Esta segunda experiência contou com a utilização de copos mais apropriados (estilo “borgonha”), o que tornou mais exigente a prova. Mas não se pense que o vinho não esteve à altura: a cor em destaque - quase preta mas com tonalidades lilases (não é um delírio! é uma cor lindíssima) -, o nariz transbordou a Touriga, e na boca manteve o bom nível da prova inicial. São apenas 5.000 garrafas (fora as que eu já comprei no Pingo Doce) destinadas sobretudo aos hipermercados e a um preço de € 4,75... melhor é impossível.